domingo, 28 de novembro de 2010

25 DE NOVEMBRO, ONTEM E HOJE

Sem qualquer tipo de comemoração passaram há poucos dias 35 anos sobre o 25 de Novembro (de 1975). Os mais jovens nem deverão saber o que se passou nessa data em que finalmente Portugal foi colocado na via da Democracia. A mitologia instalada por uma determinada esquerda pretende que nessa data a contra-revolução acabou com o 25 de Abril. Na realidade, a clique revolucionária que, com Álvaro Cunhal à cabeça, tentou nessa data realizar o “Outubro de 1917” em Portugal, perdeu definitivamente o caminho da História criando-se as condições para que, perdido enfim o sonho do Império e também dos amanhãs que cantam, Portugal se virasse para a Europa de onde partira cinco séculos antes.

Sabemo-lo hoje claramente, porque algumas das pessoas que na altura participaram nessa aventura como Zita Seabra, contam sem dramas o que se passou realmente no 25 de Novembro, com identificação de pessoas, locais e datas.

Estamos hoje de novo em dificuldades económicas graves. Temos muita facilidade em esquecer as dificuldades do passado, tendendo em salientar apenas os aspectos bons que existiam. No entanto, Portugal é hoje um país completamente diferente do que era em 1975, para melhor em quase todos os aspectos, particularmente no que respeita às condições de vida da população em geral. E, se isso é assim, é porque houve muitos homens e mulheres que nessa altura tiveram coragem e força para assumir atitudes que não eram nada fáceis.

Muito devemos de facto a quem em 25 de Novembro de 75 fez frente à loucura revolucionária da esquerda radical. Recordo entre outros Ramalho Eanes, o grupo dos Nove com Melo Antunes, Costa Gomes que retirou o tapete ao PCP e Jaime Neves que no terreno com os seus homens do regimento de Comandos da Amadora valentemente cortou o pé aos militares revoltosos, particularmente da polícia militar. Assim como Sá Carneiro e Mário Soares que nessa altura compreenderam bem o que estava em causa. Foram Homens que numa altura de conflitualidade extrema souberam agarrar a causa suprema da Liberdade sem adjectivos, acalmando o país e devolvendo ao povo a soberania que lhe ia escapando entre os dedos.

Ramalho Eanes disse em entrevista há poucos dias: "acreditava-se, talvez um pouco utopicamente, que a democracia (...) iria permitir que o país avançasse, evoluísse, se modernizasse, se tornasse mais justo e mais solidário. Pensava-se que tudo isso decorreria normalmente da democracia. Infelizmente não aconteceu".

Isto é, os homens que em 75 foram capazes de perceber os perigos da chamada “revolução socialista” e de a impedir, não tinham a percepção de que a Democracia não se esgota nos votos. Muitas pessoas ainda hoje não percebem que um determinado nível de conflitualidade é inerente à democracia. Muitos entre nós têm dificuldade em perceber que em democracia os políticos que nos governam são eleitos e que os não eleitos podem ter toda a razão do mundo, e muitas vezes têm, mas isso é irrelevante porque não têm oportunidade de exercer o poder e aplicar as suas ideias. E percebe-se também que muitos têm dificuldade em aceitar que as políticas praticadas devem ter em conta a vontade dos eleitores manifestada pelo voto. E que no fim do mandato haverá novas eleições. Claro está que isto não significa que os políticos possam mentir nas campanhas, até porque não se pode enganar toda a gente durante todo o tempo. Mas apenas que a Democracia é um delicado jogo de balanço entre o que se deve fazer e o que se aceita como sendo a vontade soberana do povo em cada momento. E que o sistema democrático deve ter filtros e contra-balanços que permitam escolher os melhores e que estes não se estraguem e não estraguem o bem comum.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra de 29 de Novembro de 2010

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Retrato de um país

Algumas afirmações retiradas da revista Visão de hoje:

Defensor de Moura: O candidato presidencial e deputado do PS diz que Governo, oposição e Cavaco são os culpados da crise.

João Proença (Líder da UGT e militante do PS): É preciso uma mexida na equipa governamental.

Torres Couto (Líder da UGT em 1988 e militante do PS): PS e PSD têm andado a brincar com o povo.

Que mal fizeram os portugueses para terem que aturar isto?

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

SOFTWARE ou HARDWARE? (de novo)


O leitor sabe o que é o “centro de Portugal”? Talvez tenha uma ideia, mas na realidade não sabe, porque isso não existe. Mas sabe com certeza o que é Coimbra. Nesse conhecimento está aliás acompanhado por quase todo o mundo. No mundo globalizado em que as marcas dominam a vida económica, desperdiçar uma marca com o valor de Coimbra é, não só disparatado, mas um crime económico.

Dir-me-ão que esta é uma verdade lapalissiana que nada tem de novo e será verdade. Mas, pelos vistos, é necessário recordá-la permanentemente. Coimbra continua inundada de belos cartazes do Turismo de Portugal numa campanha com o lema “Descubra Portugal – um país que vale por mil”. Descontando a frase pateta, que é apenas publicidade sem sentido (vale por mil quê? mil países? mil euros? mil publicitários?) as três fotografias de Lisboa, Porto e Coimbra são de facto muito bonitas. Claro que sobre a foto de Lisboa está escrito “Lisboa e Vale do Tejo”, sobre a foto do Porto aparece escrito “Porto e Norte”. Já sobre a foto da nossa Cidade aparece “Centro de Portugal”. A palavra Coimbra parece ser proibida no “Turismo de Portugal”. Talvez por isso a capital do “Turismo da região Centro” tenha ido para Aveiro. Mas para a foto representativa, Coimbra já serve. É preciso ter lata para colocar estes cartazes em Coimbra!

Coimbra não precisa de se por em bicos de pés para se afirmar turisticamente. Apenas precisamos de aproveitar o que temos. Já em tempos referi aqui o valor turístico e económico da História de Coimbra, fundamentalmente no período em que se confunde em absoluto com a de Portugal que é a Primeira Dinastia.

Recorda-se o essencial. O nosso primeiro Rei poderá ou não ter nascido em Coimbra, mas foi aqui que estabeleceu a primeira Capital do Reino e é aqui que está sepultado. O seu filho Rei D. Sancho I cá nasceu e está sepultado como o Pai, na Igreja de Sta. Cruz. Cá nasceram os reis seguintes, D. Afonso II, D. Sancho II e D. Afonso III.

A nossa Rainha Santa (Isabel de Aragão) é uma figura de tal densidade e tão conhecida que dispensa mais comentários, estando sepultada em Coimbra. O seu marido, o Rei D. Dinis, fundou a primeira Universidade portuguesa em Coimbra através da “Magna Carta Priveligiorum”.

Aqui decorreram os amores de Pedro e Inês; na Quinta das Lágrimas está a “fonte dos Amores” e cá se passaram os actos trágicos da morte de Inês e subsequentes.

Foi nas “Cortes de Coimbra” de Abril de 1385 que o Mestre de Aviz foi proclamado Rei, encerrando-se a Primeira Dinastia, resolvendo-se a crise política de 1383/85 e dando-se início à Segunda Dinastia que projectou Portugal no mundo como ninguém na altura poderia supor.

Em Coimbra está a Sé Velha construída durante o reinado de D. Afonso Henriques, onde está sepultado D. Sesnando Conde de Coimbra e em Coimbra está também o Mosteiro de Sta. Cruz fundado pelo primeiro Rei e que é Panteão Nacional por lá estar o seu túmulo.

Em Coimbra estão o Mosteiro de Sta. Clara-a-Nova onde se encontra o túmulo da Rainha Santa, o Mosteiro de Sta. Clara-a-Velha que foi alvo de uma recuperação extraordinária e a Quinta das Lágrimas local do drama dos amores de Pedro e Inês. Em Coimbra está também a primeira universidade portuguesa ocupando aquele que foi o Paço de El-Rei onde decorreram as Cortes de Coimbra.

Em Coimbra existe o Convento de Celas fundado por D. Sancha, filha do segundo Rei de Portugal.

Com tudo isto, basta juntar as peças e organizar um programa turístico de carácter histórico-cultural sobre a Primeira Dinastia associado a Coimbra, para ter um produto concreto de altíssimo valor económico. Com ou sem Turismo do Centro. Nem é preciso construir nada. Software e não hardware, de novo.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 22 de Novembro de 2010

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

SOFTWARE ou HARDWARE?


A minha crónica da semana passada terminava com esta frase:

Daqui para a frente, precisamos é de organização, convergência de esforços e ideias claras: software e já não hardware.

O que tinha em pensamento, na sequência da ideia que tinha desenvolvido no resto do texto, era que se chegou a um ponto em que se deve deixar a quantidade e pensar mais na qualidade. Se isto é importante para uma Cidade, é verdadeiramente crucial para o país, sobretudo na situação especial em que nos encontramos.

Já todos perceberam que acabou o tempo em que se julgava possível basear o desenvolvimento do país em obras públicas e mais obras públicas, à custa do endividamento das gerações futuras. A saída para os nossos problemas, já o aqui escrevi mais que uma vez, é a produção de bens transaccionáveis, que se vendam no estrangeiro. Para se ver isto não é necessário ser economista, basta olhar para os grandes números.

O desvio dos rendimentos produzidos pelas empresas para o Estado, que por sua vez o gasta cada vez mais apenas para existir e para pagar juros, tem sido a grande causa dos nossos problemas. Chegámos a um ponto em que a taxa da nossa dívida soberana ultrapassou os 7%, muito acima das taxas de trabalho entre os bancos, entre os bancos e o BCE e muito acima das taxas praticadas entre os bancos e as empresas ou pessoas individuais. Depois ainda há para aí quem se queixe dos “mercados”: tendo-se deixado criar estas condições e não se fazendo nada para as contrariar, o que esperar dos especuladores internacionais que sempre existiram e toda a gente sabe que estão lá a aproveitar precisamente estas condições favoráveis para fazer fortunas instantâneas? O resultado é o Estado sugar o dinheiro gerado pelas empresas, para por sua vez ser ele mesmo sugado pelos famosos “mercados”. Verdadeiramente inacreditável! E o país sem capacidade de resposta, porque o sistema político está assim mesmo: como temos em breve eleições presidenciais, só a partir de Maio o povo poderá dizer o que pensa sobre a saída da solução, seja ela qual for. O que é certo é que as opções, mesmo as políticas, têm todas um preço e é esse que se está a pagar neste momento e se irá sempre pagar no futuro, não nos iludamos.

Hoje muitos políticos descobrem com admiração que as nossas exportações estão a aumentar, o que ajuda à recuperação económica. São os empresários a fazer o que lhes compete e sabem fazer, assim os deixem. E é este o caminho! Nunca percebi o dirigismo da nossa classe política que tudo quer orientar e definir. Os fundos europeus que deviam apoiar as empresas nos seus esforços de modernização e internacionalização são canalizados para “formações” cujo resultado pouco mais é que melhorar estatísticas internacionais na área da educação (assim, com minúscula, de propósito).

Nunca nenhum governo foi capaz de fazer como se faz aqui ao lado em Espanha, por exemplo, onde quem gere esses dinheiros são as próprias associações patronais que não vão em fantasias de “desígnios nacionais” que a primeira brisa leva para longe. Se os deixarem, os nossos empresários vão alargar o leque do destino dos seus produtos e deixar de vender quase tudo na União Europeia, ampliando de forma gigantesca os nossos mercados. Apetece dizer: deixem trabalhar os empresários!

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 15 de Novembro de 2010

domingo, 14 de novembro de 2010

Vasco Pulido Valente, hoje no Público. Sem comentários.

«Luís Amado, ministro dos Negócios Estrangeiros, pede na primeira página do Expresso um governo de coligação. Na terceira página, o director do Expresso, Henrique Monteiro, declara "este governo", o que formalmente existe, "quase um cadáver" e discute com a maior solenidade a formação do seguinte. Na pagina 13, o Expresso também informa que António Costa, o n.º 2 do PS, desistiu de suceder a Sócrates (já vamos nisso?), a favor de Francisco Assis, que por sua vez terá (ou não terá) de concorrer com António José Seguro, o putativo representante da esquerda socialista. Entretanto, vozes soltas, como a de Ana Gomes (que muita gente julgava desaparecida), pedem a demissão imediata do ministro das Finanças, de que ninguém gosta, ou uma remodelação mais drástica, para o PS "ganhar fôlego". No meio desta balbúrdia, consta que certas "figuras" proeminentes do partido (entre as quais vários "soaristas") preferem um Congresso imediato para substituir Sócrates, como ele merece, e fabricar um "governo patriótico", presidido por António Vitorino (a título de Nossa Senhora do Socorro) e apoiado no Parlamento pelo PSD, coisa que Passos Coelho com toda a clareza recusa. A preocupação geral dos socialistas parece ser o absoluto descrédito do governo, a sua previsível incapacidade para executar o Orçamento de 2011 e o medo de que as tensões sociais "rebentem" na rua. Há mais quem partilhe estes sentimentos. Paulo Portas no Diário Económico exigiu um "governo de salvação nacional" (fervorosamente "patriótico", como é óbvio) com o PS, o PSD e o CDS. Santana Lopes, que nunca consegue ficar quieto e caladinho, trouxe logo o seu apoio à ideia. E Pacheco Pereira apelou para "o afastamento voluntário de Sócrates", que ele considera "o principal factor subjectivo da crise", e com mais realismo (e menos marxismo) voltou a sugerir o mesmíssimo governo de "salvação nacional" ou um acordo parlamentar ou (em desespero) um simples "pacto de estabilidade", que ele jamais conseguirá definir, excepto presumivelmente com a ajuda do filósofo e eurodeputado Paulo Rangel que propôs (no Porto) um pacto entre os "partidos do arco governativo" até 2020. Não restava a menor dúvida que vivíamos numa casa de loucos. Mas sempre ia persistindo uma vaga esperança de que a loucura não fosse tanta. Agora sabemos que é. E que não tem cura.»

sábado, 13 de novembro de 2010

O ESTADO (SEM) DA VERGONHA

Vasco Pulido Valente escreveu sobre a vergonha que é a PGR pedir denúncias anónimas, coisa que incrivelmente é saudada por muita gente (enquanto não lhes baterem à porta, claro):

«O Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) instalou na Internet um site (de que os jornais se apressaram a dar o "endereço") para denúncias de "casos de corrupção e fraude" e, pior ainda, para os denunciantes seguirem passo a passo o resultado do seu honroso "trabalho" e, se necessário, acrescentarem um ou outro pormenor que faça falta. A dra. Cândida de Almeida, directora do DCIAP, explicou a posição oficial: o Ministério Público quer "interagir" com os facínoras que apontam o próximo à polícia para os tranquilizar sobre a eficácia do seu imprescindível civismo e para, eventualmente, lhes pedir ajuda. Antigamente, havia regimes que usavam "caixinhas" para a carta anónima. Hoje a Internet permite o mesmo anonimato e uma cooperação mais sofisticada. Qualquer cidadão que deteste a prima, a tia ou cunhada, ou que se queira livrar de um concorrente, pode com uma simples "visita" ao site da DCIAP meter a criatura num enorme sarilho, com a paternal protecção da autoridade. O que sucede às vítimas aparentemente não interessa ao Ministério Público. Elas, por assim dizer, que se arranjem. A dra. Cândida de Almeida sabe com certeza que a mais leve suspeita chega para arruinar uma reputação. E que uma reputação arruinada nunca ou quase nunca se recompõe. Mas não parece que esse pequeno facto a perturbe. Como certamente não a comove convidar os portugueses (principalmente, o funcionalismo e os trabalhadores do "sector empresarial do Estado") à baixeza sem nome da denúncia. É preciso que a noção de "serviço público" se tenha degradado a um ponto difícil de imaginar para que se ache natural - e até louvável - recorrer a métodos como o site da DCIAP. A dra. Cândida de Almeida responderá talvez que se limita a lutar contra a corrupção e a fraude, sem perceber que o seu site corrompe o carácter da cidadania e, em última análise, também ele indirectamente promove a fraude. Acabámos por chegar a isto.»

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Troleys

Parece que querem colocar troleys na linha da Lousã. Coisa esperta.

O MAR


Há muitos anos virámos costas à Europa e fomos para o mar. Depois virámos costas ao mar e fomos (?) para a Europa. Já é tempo de deixarmos de ser parvos e usar o melhor dos dois mundos.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

ESTA NOSSA CIDADE



Esta nossa Cidade que é Coimbra está hoje perante escolhas cruciais que definirão qual será o seu futuro nas próximas dezenas de anos. É já um lugar-comum dizer-se que a competição internacional se faz hoje entre cidades e não entre países. E se isso se verifica a nível mundial onde as grandes cidades com Singapura, Xangai, S. Paulo, Londres ou Nova Iorque claramente competem entre si, é particularmente verdade no interior da União Europeia onde as cidades médias lutam hoje pela sua própria competitividade num espaço económico, social, e político comum.

É para este espaço e para este mundo que Coimbra tem que olhar e já não para uma região que hoje a limita. Longe vai o tempo em que políticos de vistas curtas olhavam para a região centro como um região multipolar em que Coimbra surgiria apenas como mais uma entre as cidades da região. Chegou a propor-se uma Região em que a respectiva capital rodaria entre as suas diversas cidades.

A sua localização geográfica é privilegiada e isso não depende da vontade de políticas nacionais, por mais desastradas que sejam. Claro que as ligações rodoviárias ao interior são basicamente as mesmas de há dezenas de anos, afastando cada vez mais Viseu, a Guarda, a Covilhã e Castelo Branco de Coimbra, o que tem consequências económicas claramente negativas para a nossa cidade, já que favorece as ligações daquelas cidades a Lisboa e ao Porto. Mais uma vez a nossa disparatada macrocefalia a funcionar e não é certamente por acaso. A nossa estação de caminho de ferro cuja remodelação ficará eternamente à espera de um mítico e fantasioso TGV entre Lisboa e Porto é uma vergonha nacional e não de Coimbra.

As fraquezas e forças da nossa cidade, todos nós as conhecemos e não vale muito a pena falar delas. Qualquer empresa de consultadoria exterior que elabore um plano estratégico diz o que nós todos sabemos, porque vemos, ouvimos e lemos todos os dias (embora eventualmente uma listagem seriada do que há e do que poderá haver seja certamente útil) .

Também não é a gritar muito alto e com voz grossa por Coimbra, que se consegue algo, a não ser conseguir ser ouvido pelos vizinhos do lado.

Coimbra tem dentro de si todas as potencialidades para se afirmar num contexto internacional. A sua História que se confunde com a História de Portugal durante toda a Primeira Dinastia é motivo mais do que suficiente para criar todo um “cluster” turístico verdadeiramente excepcional. A existência de um serviço de Turismo próprio de Coimbra, seja empresa ou outro qualquer está mais que justificada. E ao ver há poucos dias espalhados pela cidade cartazes do Turismo de Portugal em que aparecia uma foto do Porto com a legenda “região norte, Douro e Porto”, uma foto de Lisboa com a legenda “região vale do Tejo e Lisboa” e ainda uma foto de Coimbra com a legenda “região Centro” sem a palavra Coimbra, fiquei ainda mais convencido da justeza dessa opção. Só estranhei que ninguém por cá tivesse dado por isso, mas os habituais berradores por Coimbra deviam andar distraídos.

As novas actividades económicas sofisticadas de Coimbra, quase todas saídas da excelente incubadora do Pedro Nunes colocam-nos já no mundo global e não na região. Neste contexto, o Centro de Congressos do Convento de S. Francisco finalmente em obra, é uma das últimas infra-estruturas de que Coimbra precisava para ser competitiva. Juntamente com o i Parque, claro. Mesmo porque Coimbra já dispõe hoje de infra-estruturas básicas ao melhor nível do país.

Daqui para a frente, precisamos é de organização, convergência de esforços e ideias claras: software e já não hardware.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 8 de Novembro de 2010

sábado, 6 de novembro de 2010

CUNHAL 2

Claro que hoje sabemos de tudo, nomeadamente pelo livro da Zita Seabra, mas é impressionante ver Cunhal em acção ao vivo!

CUNHAL

A RTP Memória está a transmitir o célebre debate entre Soares e Cunhal em 75. Impressionante o discurso de Cunhal: não foge um milímetro da revolução bolchevique para Portugal. Aquele homem sabia bem o que estava a fazer.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Bancos em Portugal

Os lucros dos bancos portugueses são de 4 milhões de euros por dia (CGD não incluída). No circuito entre o Estado, o BCE e os bancos que deixa a liquidez completamente fora do resto da economia, parece que há alguém que ganha.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

na ONU é que Guterres está bem (longe daqui)

Ler este post de "O cachimbo de Magritte" sobre o papel de Guterres nos nossos problemas de hoje

A ler

Acege em Coimbra

Continuando a abordagem do tema geral escolhido pela Acege para o corrente ano - “Portugal tem futuro: a missão dos líderes empresariais cristãos” – iremos ter o nosso próximo almoço-debate do Núcleo da ACEGE de Coimbra no dia 11 de Novembro, como habitualmente no salão da Sé Velha a partir das 13:00 horas.

Teremos connosco o Dr. Alexandre Relvas, empresário bem conhecido e interventor social e político de grande notoriedade.

Na sua intervenção, o Dr. Alexandre Relvas irá começar por apresentar uma visão geral da “Estratégia da Logoplaste” e, aproveitando a sua experiência empresarial, passará de seguida a um conjunto de Reflexões e propostas para uma nova Política Económica que permita promover a competitividade e as exportações.

Agradecemos que as inscrições nos sejam comunicadas até ao fim do dia 8 de Novembro para nos facilitar as tarefas logísticas, podendo os associados da ACEGE levar convidados que possam ter interesse em participar.

O custo da participação é de 20€, sendo o pagamento efectuado no local.


segunda-feira, 1 de novembro de 2010

DO MAR QUE FOI PORTUGUÊS


Sucede por vezes na nossa vida sermos obrigados a fazer coisas que não desejamos, que não queremos, mas a que não podemos ou não devemos fugir. E às vezes, depois de as fazermos, fica-nos um sabor a sal na boca e uma saudade para sempre. Há muitos anos fui chamado a cumprir o Serviço Militar Obrigatório, num ramo das Forças Armadas que me era totalmente desconhecido: a Marinha de Guerra. Aí aprendi muito, fiquei a admirar com conhecimento de causa todos os que ganham a sua vida no mar e a conhecer melhor o potencial fabuloso para Portugal, que é o facto de ter Zona Económica Exclusiva absolutamente gigantesca por os Açores e a Madeira serem portugueses. Na Europa, apenas o Reino Unido, a França e a Dinamarca têm áreas superiores.

Infelizmente, nas últimas dezenas de anos assistimos a um definhar das actividades ligadas ao mar. Estamos muito longe da época de quinhentos em que o Mar era português. Isto, pese o facto de alguns dos nossos melhores andarem há anos a alertar para o desperdício que é virarmos as costas ao mar, com o Doutor Ernâni Lopes à cabeça e a sua defesa do “Hipercluster do mar”.

Nas pescas, deixámo-nos embalar pela conversa dos eurocratas e a nossa frota é hoje diminuta: em resultado, 2/3 do peixe que hoje consumimos é importado. Deve ser recordada a epopeia hoje quase esquecida dos homens dos “doris” dos bacalhoeiros na Terra Nova. A indústria conserveira portuguesa que sempre foi considerada de altíssima qualidade consistia há cinquenta anos em cerca de 400 fábricas; hoje existem 20!

O desporto náutico quase não existe entre nós, não havendo estruturas que favoreçam o interesse da juventude por essa actividade, apesar de Portugal ter 1187 Km de costa marítima.

A nossa frota mercante praticamente desapareceu. A indústria de construção naval já quase não existe, restando felizmente alguma capacidade de reparação naval, muito abaixo do que era há quarenta anos. Os portos estão quase como eram há vinte anos; as suas ligações ferroviárias à Europa são inexistentes. Só temos auto-estradas e milhares de camiões a transportar mercadorias: pura estupidez e desperdício!

Com a consciência crescente do enorme buraco de competitividade económica do país, começam finalmente a surgir sinais de que começamos a acordar para as possibilidades económicas que o mar tem à nossa espera. Assim os responsáveis pela economia e pelo planeamento estratégico do país o entendam e metam mãos à obra, para além das palavras.

No dia em que faz cinco anos que estas crónicas semanais existem, não posso deixar de colocar aqui uma nota de agradecimento ao Diário de Coimbra por tão amavelmente me acolher nas suas páginas. Este jornal com oitenta anos de idade, que se intitula orgulhosamente regionalista e republicano é assim dos mais antigos do País. Este jornal é o resultado de uma luta diária de todos os que nele trabalham, desde os proprietários aos redactores, aos jornalistas e aos fotógrafos que na rua recolhem o quotidiano e no-lo dão a conhecer nas suas páginas. Seria já muito difícil imaginar a nossa Cidade sem o seu Diário de Coimbra. Nesta oportunidade, aproveito ainda para enviar a todos aqueles que também escrevem nas suas páginas um abraço que significa respeito por todos os que têm a coragem de assumir publicamente o que defendem, concorde-se ou discorde-se deles. Aos meus leitores um abraço reconhecido, pois sem as suas manifestações sempre amigas de apoio crítico, há muito que teria deixado esta “obrigação” semanal.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra de 1 de Novembro de 2010