segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

NO FIM OU NO PRINCÍPIO?

Passadas as festividades do Natal, aproxima-se o fim deste ano de 2011. Ano de grandes perplexidades, de grandes sustos e ansiedades e de maiores expectativas porque, felizmente, a esperança é a última a morrer.
Portugal passou a primeira metade do ano em claro plano inclinado descendente, em todos os aspectos para que se olhe. Depois de dois anos de aflição financeira, chegou-se em Maio de 2011, àquele ponto final em que o Estado não tinha pura e simplesmente dinheiro para pagar aos seus funcionários, pelo que se chamou finalmente a Troika que nos acompanhará inevitavelmente nos próximos anos. Com ela chegou igualmente o dinheiro necessário para Portugal respirar, mas também a obrigação de mudar de vida.
Vieram depois as eleições. Quem nos trouxe até este ponto aflitivo foi evidentemente corrido da governação pelos votos dos portugueses. A seguir começou a aplicação das directivas da Troika, e que duras são elas. Se todos os portugueses estão a pagar mais impostos, todos os que de alguma forma dependem do Estado começaram além disso a sentir redução de rendimentos, com cortes nos subsídios de Natal este ano e anulação de 13º e 14º meses, pelo menos em 2012.
Toda a máquina do Estado está a sofrer uma reavaliação, com redução de benefícios e aumento dos custos de acesso aos serviços proporcionados pelo Estado. Acabaram as SCUTS e chegou o princípio do utilizador-pagador.
Isto é, enquanto aumenta as receitas, o Estado procede igualmente a uma redução das suas despesas. O objectivo é cumprir os objectivos de défice público muito exigentes constantes do memorando de entendimento negociado pelo anterior Governo com a Troika. Em paralelo, o Estado sai da economia, vendendo as suas participações em empresas que se habituaram a ter grandes resultados por operarem em sectores muito protegidos, como a EDP e a REN. O facto de serem empresas chinesas a comprar não nos deve surpreender: estão a fazer isso em todo o mundo. Na verdade é uma forma muito mais correcta de trazer os capitais chineses para cá do que pedinchar vergonhosamente que comprem dívida nossa, como sucedeu no início do ano.
Nada disto vai ser fácil. Os portugueses toleraram durante demasiados anos governantes que lhes diziam o que qualquer pessoa gosta de ouvir, mas que foram paulatinamente afastando o país das médias económicas e financeiras da restante Europa, criando uma situação insustentável que nos colocou à mercê do primeiro abanão internacional que surgisse. Logo por azar, o abanão que surgiu foi um autêntico. Não vale a pena acusar os actuais governantes da situação existente e de serem apaixonados da austeridade. Eles são apenas aqueles a quem o destino encarregou de serem os portadores das más notícias.
Há que pensar no futuro e tratar de que o Portugal dos nossos netos venha a ser melhor do que o que estamos a entregar hoje aos nossos filhos. Assumamos claramente que as últimas dezenas de anos trouxeram um enorme desenvolvimento ao país em muitas áreas; mas em simultâneo cresceu entre nós uma sensação de facilitismo trazida pelo súbito dinheiro barato após a entrada no euro que levou ao abandono de actividades económicas sustentáveis a longo prazo, trocadas pelo lucro fácil e rápido.
É em plena consciência das dificuldades que nos esperam que desejo aos meus leitores um Ano de 2012 que vos traga tudo aquilo de que de facto necessitam.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 26 de Dezembro de 2011

domingo, 25 de dezembro de 2011

O CAPITAL INVISÍVEL

O CAPITAL INVISÍVEL:
«Na nossa vida colectiva a degradação dos laços de confiança ao longo dos anos teve graves consequências na qualidade da nossa democracia, no nosso desempenho económico e na nossa solidariedade comunitária. A confiança é um activo público, é um capital invisível, é um bem comum, determinante para o desenvolvimento social, para a coesão e para a equidade. São os laços de confiança que formam a rede que nos segura a todos numa mesma sociedade.»

Pedro Passos Coelho, 25.12.11

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

"Não estamos sós"

Nota ignóbil e mentirosa do PC do B em louvor à ditadura da Coreia do Norte é um acinte aos democratas brasileiros

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.

Portugal And Other European Pigs

December 7, 2010 - 1:14 PM | by: Greg Burke
I can’t imagine any country likes being called a pig. But that’s the case with Portugal, Ireland, Greece and Spain. Put together, those countries spell P-I-G-S, and some people claim there are actually two i’s in this particular pig, and that it should include Italy. The Italians, of course, insist they aren’t part of the club.
It’s the somewhat-less-than-exclusive collection of European nations that share a common currency, the Euro, and are in the most trouble economically. Greece and Ireland have already been forced to take bailouts to help pay their debts, and Portugal is under pressure to do so as well.
I just spent the last few days in Portugal with cameraman Mal James, and while the situation does not look dire, it is pretty serious. The government, which is balking at taking a bailout, has implemented austerity measures that will cut the salaries of civil servants, and cut some pensions as well. Then are increases in taxes, which include the Value Added Tax, or VAT, going up to 23 percent.
That’s a lot of tax to pay on something you’re purchasing, and certainly won’t help stimulate the economy. That’s why Portugal is stuck in a pretty tough spot; as it tries to bring government spending under control and increase revenues, it’s going to kill demand. In fact, GDP is expected to fall next year.
While the Euro has been good for Portugal overall, the price to pay has been pretty high – and the Portuguese are still paying it.
We interviewed the Minister of Labor, Maria Helena Andre’, and she told us her suggestion for young people looking for work here was to be “open and flexible.”
She admits that this includes emigrating, as the Portuguese have been doing for decades.
We talked to one woman who says she’s thinking about going to Angola, a former Portuguese colony in Africa. Angola is wealthy by African standards, but that must mean the situation is pretty bad in Portugal if someone with a European Union passport is looking for work in Africa.
Despite all of its problems, Portugal is a beautiful country with friendly people, and I still don’t think it deserves to be called a pig.


Read more: http://liveshots.blogs.foxnews.com/2010/12/07/portugal-and-other-european-pigs/#ixzz1hHgH6NR6




http://liveshots.blogs.foxnews.com/2010/12/07/portugal-and-other-european-pigs/#ixzz1h7LJCpKJ

Para mais tarde recordar...

Para mais tarde recordar...:

Obrigado, José Sócrates

Obrigado José Sócrates.
Devemos-lhe mais esta.

Portugal tem uma "democracia com falhas" - Política - PUBLICO.PT

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Ex-gestores da Ferrostaal condenados por suborno em Munique - Sociedade - PUBLICO

Na Alemanha há corruptores; em Portugal não há corrompidos.
Os cidadãos alemães acharão isso normal?

Ex-gestores da Ferrostaal condenados por suborno em Munique - Sociedade - PUBLICO.PT

Santo Ofício

Acabou há um par de anos, mas continua vivo na cabeça de muita gente que nem dá por isso. Outros têm notoriamente saudade desse tempo.

Sonhar o sonho impossível!

Paul Simon & LadySmith Black Mambazo 1

Paul Simon & Miriam Makeba

Centro histórico de Lima passa do caos a bairro da moda em 20 anos - Celebridades - Notícia - VEJA.com

Centro histórico de Lima passa do caos a bairro da moda em 20 anos - Celebridades - Notícia - VEJA.com

Vá lá, não foi para o Godinho

Tentativa de venda de comboio histórico da CP suscita escândalo e boicote na Europa - Local - PUBLICO.PT

Fantástico.

Sobre o falecimento de Kim Jong-II

Face a várias solicitações de diferentes órgãos de comunicação social sobre o falecimento de Kim Jong-Il, o PCP divulga a seguinte informação:
O PCP reafirma nesta ocasião a sua posição de respeito e solidariedade para com a soberania da República Democrática Popular da Coreia – RDPC, o direito que lhe assiste a determinar o seu rumo próprio de desenvolvimento em condições de paz e não ingerência nos seus assuntos internos, e o objectivo da reunificação pacífica da nação coreana.
Lembrando a posição há muito expressa face a fenómenos e práticas da realidade política coreana com as quais não se identifica, o PCP reafirma a solidariedade para com o povo coreano perante as pressões, agressões e tentativas de desestabilização do imperialismo, a que, desde a Guerra da Coreia no início dos anos 50, o povo coreano e a RDPC têm estado permanentemente sujeitos e, ao mesmo tempo, a mais firme rejeição da agenda intervencionista do imperialismo, designadamente dos EUA, na península coreana e região da Ásia-Pacífico.
O PCP expressou as suas condolências ao povo coreano e à direcção do Partido do Trabalho da Coreia pelo falecimento do seu dirigente Kim Jong-Il.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

A monarquia comunista

Kim Jong-un é o 'grande sucessor' de Kim Jong-il, segundo 'KCNA':


SOMOS PORTUGAL E NÃO IBÉRIA (e não é por acaso)

Se há pergunta que se pode fazer a qualquer pessoa para obter uma resposta fácil e imediata é sobre a sua data de nascimento. De facto, toda a evolução da nossa vida tem esse momento como ponto de referência principal. É a partir dele que nos tornamos independentes da Mãe, ao princípio a precisar de muita ajuda, mas assumindo depois a plenitude da vida e mesmo da continuidade futura da espécie, a verdadeira máquina do tempo, como se costuma dizer.
Os países precisam também de simbolismos que encerrem em si elementos suficientemente fortes para unir diferentes gerações ao longo de centenas de anos e as diferentes sensibilidades existentes em cada momento.
A Independência de um país é, seguramente, o traço de união mais forte dos seus cidadãos e que assegura a sua própria identidade social e política no mundo cada vez mais globalizado que tende a esbater diferenças essenciais para a própria diversidade da humanidade. O seu simbolismo reflecte a memória histórica do país e fornece a base para que colectivamente se possam ultrapassar momentos de dificuldades e grandes clivagens.
Portugal tem no dia 1 de Dezembro a memória de um facto concreto que foi a Restauração da Independência em 1640, depois de 60 anos de dominação espanhola. Não foi fácil, obrigou a decisões pessoais e colectivas corajosas e a enfrentar um adversário muito mais forte, durante dezenas de anos. Levou a derramamento de sangue e muitos sacrifícios, mas os portugueses conseguiram o feito notável de assegurar a sua independência e continuarem a ser a única nação ibérica fora do domínio de Madrid, definindo o seu próprio destino. Portugal assegurou então a sua independência sem a ajuda de ninguém exterior, antes pelo contrário. E Portugal estava em estado de quase falência, na maior das pobrezas, após anos de exploração filipina que nos levou couro e cabelo, como se costuma dizer. Se a Revolução foi feita por conjurados nobres, o povo aderiu de imediato a ela, por todo o país. O imposto especial criado na altura para pagar a guerra com Madrid, a chamada “décima militar”, foi aceite sem discussão. Só esta união permitiu resistir à extraordinária força da maior potência do mundo de então, governada pelos Habsburgo.
Muitos momentos terá Portugal na sua longa História que mereçam destaque. Mas este é único pelo seu significado patriótico profundo, sem clivagens ideológicas, nem de regimes e suficientemente ancorado para dizer respeito a todos nós, independentemente de sensibilidades políticas. É por isso que o seu simbolismo é mais forte que qualquer um dos outros feriados ligados quase todos eles a momentos de fundação de regimes políticos e não do próprio país. Mesmo o dia de Portugal celebrado a 10 de Junho é completamente artificial, não estando ligado a qualquer facto histórico positivo que nos una. A celebração da morte de Camões em 1580 remete precisamente para os momentos fatídicos em que perdemos a independência para Espanha e coincide com um dos períodos mais negros da História de Portugal.
Como todos sabemos, atravessamos momentos de grandes dificuldades que obrigam a um aumento da produtividade nacional e à diminuição dos dias em que não se trabalha.
Mas todos sabemos também que, quando se destrói o simbólico, se perdem para sempre referências que unem. E não se pode perder a perspectiva do que é essencial e do que é acessório em cada momento. Cada um defenderá a manutenção dos feriados que lhe dizem mais na sua perspectiva pessoal, seja política, religiosa, ou outra mais restrita. Mas se há feriado que representa Portugal com maior e mais profundo simbolismo, sem remeter para patriotismos estéreis ou referências ideológicas particulares, é o Primeiro de Dezembro. Não o deitemos para o caixote do lixo da História, por causa de uma situação conjuntural.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 19 de Dezembro de 2011

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Baixo Mondego quer “concertação” com Pinhal Interior Norte

Jorge Bento tem razão e desconfio que tinha vontade de dizer ainda mais; esta história das "comunidades intermunicipais" não serve para grande coisa e é um artificialismo. A Região Centro tem que se afirmar e Coimbra também. É urgente. O Turismo será a área em que isso é mais evidente. "Centro" todos o têm; não é nada mais que uma designação, não é marca vendável, por mais que se gaste dinheiro a promovê-la.


Baixo Mondego quer “concertação” com Pinhal Interior Norte: “articulação estratégica” para afirmar a regiãoBaixo Mondego quer “concertação” com Pinhal Interior Norte “Porque os problemas não têm fronteiras, as respostas também não podem ter”, afirma Jorge Bento, defendendo uma “articulação estratégica” para afirmar a região

A ler com atenção

Portugal nunca esteve tão perto do esquecimento:


Há muito que assistimos a uma governação europeia contra-natura, num afastamento exponencial da nossa essência. A Europa deixou de se erguer sobre alicerces culturais - alicerces que deram origem à nossa sociedade, a uma sociedade democrática de igualdade de direitos -, erguendo-se sobre uma factura económica (de restaurante fast-food!). Hoje, assistimos a uma crise sem precedentes em todo mundo. Uma crise económico-financeira, ou uma crise cultural e de valores? Ou será a primeira consequência da segunda?



Portugal não é excepção à regra. Aliás nunca o foi. Portugal falhou e tem continuamente falhado no apoio às artes. Para além da falta de apoio à grande massa de artistas e à falta de estratégias de promoção e educação das artes, Portugal brinda-nos recentemente com a extinção do Ministério da Cultura - um ligeiro “déjà vu” salazarista -, substituindo-o por uma Secretaria...



Portugal nunca esteve tão perto do esquecimento.



Nesta matéria, a França é um exemplo bastante diferente de Portugal. A sua capital, Paris, cidade mais visitada do mundo, recebendo anualmente mais de 27 milhões de visitantes (quase o dobro da população portuguesa), tem uma projecção mundial sem precedentes. Facto este, que não se deve somente a situar-se no coração da Europa, facilmente ligado a Londres, Bruxelas, Madrid ou Genebra, graças, entre outros, ao TGV, mas porque apostou também na sua maior força de expansão: a sua origem, a cultura.



Aliado à reabilitação e manutenção de edifícios seculares, com uma arquitectura rica e diversificada, um conjunto de museus únicos e uma gastronomia de renome internacional, a França aposta em força na educação e no apoio das artes. Esta diferença de política cultural permite que ostente ainda o lugar de país mais visitado do mundo - gerando uma das mais elevadas receitas no turismo - e seja, consequentemente, um dos oito países mais poderosos do mundo.



Em Portugal, sem um abrigo artístico português, muitos foram aqueles que repetiram a nossa História e lançaram-se à descoberta de novos mundos. Sem apoios e cicatrizados por um Portugal artisticamente castrador, vários artistas decidiram apostar nas suas raízes, na sua cultura, e hastearam "lá fora" a bandeira de Portugal ao mais alto nível. Defenderam e imortalizaram séculos da nossa cultura, tornando-se assim, os Reais Embaixadores de Portugal.



A todos eles, em meu nome, e em nome de todos os portugueses: Muito Obrigado!



[Ricardo Vieira, em Paris, França]

Vergonha

Vergonha:

Num país onde muita gente faz contas à carne que pode comprar, aos medicamentos de que pode (?) prescindir, onde se angustia pelo emprego que se perdeu ou pode vir a perder, os deputados entretêm-se desta maneira. Não faço qualquer distinção entre partidos: a vergonha é igualmente distribuída pelos intervenientes. Desde o irresponsável que fez as declarações ao político que ainda acha que a ocasião é para brincar sobre outras figuras, todos merecem desprezo, pela imensa falta de respeito que demonstram, enclausurados na sua vidinha de corte. Custa-me aderir ao discurso do "eles são uns palhaços", mas há dias em que a tentação é grande demais. E há mesmo dias em que "eles" merecem o nosso desprezo.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

E despediram-no, claro.

Uma pérola:

Bernard Connoly, antigo alto-funcionário da Comissão Europeia, afastado por se opor ao projecto do Euro, esteve em Portugal em 1997 – exacto: 1997 – para um ciclo de conferências que decorreu em Serralves. Encontrei agora a sua comunicação (no livro “O desafio europeu, passado, presente e futuro”, da Principia) e a sua leitura é muito instrutiva.


Depois de explicar por que criticou o projecto da moeda única, Connoly faz algumas curiosas previsões:


“As condições monetárias serão estabelecidas de feição para a França e a Alemanha, o que quer dizer que as taxas de juro do euro em 1999 não serão de todo suficientemente altas para as necessidades da economia de Portugal, para dar um exemplo. Isto significa que a convergência da taxa de juro andará muito em baixo para a periferia, o que vai levar a um 1998 que, à primeira vista, vai parecer o paraíso [lembram-se do ano da Expo? Pois foi 1998…]. Haverá um forte crescimento, as taxas de juro vão descer, ainda não haverá nenhuma inflação, o volume de negócios e de consumo será muito grande, haverá uma explosão da bolsa de valores e do mercado imobiliário. Estou a dizer que o mercado imobiliário vai explodir em Portugal e em Espanha. E digo, se tiverem senso-comum, peçam empréstimos, hipotequem-se até às orelhas, mas na condição de poderem saldar as dívidas rapidamente nos anos 2000/2001. É nessa altura que vão surgir os problemas [lembram-se do pântano de Guterres?]”.


Connoly prossegue traçando o retrato do que se passaria na Europa nos anos seguintes, prevendo que algures depois de 2001 ocorrerá uma crise grandes dimensões, que levaria à suspensão do pacto de estabilidade. Nessa altura, que previu que chegasse mais cedo do que chegou…


“Vai haver uma crise de confiança dos mercados financeiros no euro e as pessoas vão perceber que não se podem proteger do desmembramento do euro com marcos alemães denominados euros. Um euro é um euro, é um euro, é um euro. A única maneira de uma pessoa se proteger nessas circunstâncias é adquirir genuinamente valores exteriores, as moedas de países exteriores à área. Por outras palavras, o euro vai estar sob severa pressão dos mercados financeiros”.


Quando se chegasse a este ponto, Connoly previa que os políticos pudessem reagir de três maneiras: assumindo o erro do euro, o que ele achava impossível acontecer; continuarem a lutar para tentarem encontrar qualquer solução, o que deveria acontecer durante algum tempo; finalmente…


“A terceira opção é a que será escolhida. Vai ser usada a desculpa da pressão do mercado financeiro no euro. ‘Meu Deus, esses especuladores terríveis, esses americanos, esses judeus [aqui ele enganou-se…], esses sabe Deus quem, estão a tentar destruir a nossa Europa. Temos de impedir que façam isso, só há uma maneira de o fazermos: temos de nos fortalecer ainda mais, temos de ter um governo económico que crie um sistema monetário que espelhe realmente o sistema dos Estados Unidos’”.


Para quem assumiu que o que estava a fazer era apenas “uma previsão” e que falava em 1997, digamos que talvez pudéssemos começar a consultá-lo sobre os números do Euromilhões…



Filed under: Geral

Paroles, paroles, paroles...

Nissan suspende investimento de 156 milhões em Aveiro: A Nissan vai suspender a fábrica de baterias em Aveiro para os seus carros eléctricos, um dos últimos investimentos estrangeiros anunciados pelo ex-primeiro-ministro José Sócrates.

Notícias de hoje da Angemerkozilandia

Bolsa de Frankfurt: DAX-30 fecha em baixa de 3,36%


O que é uma "comissão de utentes"?

http://31daarmada.blogs.sapo.pt/5395990.html

ASAE encerra "Gilty" e detém empresário Olivier - Portugal - DN

ASAE encerra "Gilty" e detém empresário Olivier - Portugal - DN

O REI VAI NU

Como acontecia todas as quintas-feiras desde que herdara o trono, el-rei avançou para a sala de despacho com a maior das satisfações. Se havia algo que lhe agradava no exercício das suas funções era o encontro com os secretários do reino que lhe traziam as pastas com propostas e assuntos tão bem tratados que bastava colocar a sua assinatura para que as acções se tornassem realidade. E eram todos tão simpáticos! Nunca deixavam de o cumprimentar com a maior das reverências, sublinhando como el-rei estava esplendoroso e bem vestido nesse dia, sublinhando como isso era motivo de orgulho e satisfação para todos os seus súbditos; até o cumprimentavam sempre pelo brilho das suas intervenções, pela grande cultura que manifestava e pela inteligência com que administrava os negócios do reino.
E aquela quinta-feira não foi excepção. Os assuntos eram muitos e variados e todos motivo de satisfação pelo que significavam de melhoria para a vida dos súbditos e claro, pela boa imagem que dele transmitiriam.
No fim do despacho, após a retirada dos secretários, foi com a melhor das disposições que recebeu os cumprimentos daquele seu primo companheiro de brincadeiras quando eram crianças e que há tanto tempo não via. Depois do abraço comovido, o primo disse-lhe: “Majestade, com a amizade fraterna que nos liga, não posso deixar de vos transmitir uma grande preocupação que me assaltou o espírito enquanto vós despacháveis com os vossos secretários. Eu sei que vós fazeis grande confiança neles, até porque já serviram fielmente o Senhor vosso Pai e antecessor. Mas devo dizer-vos que me pareceu excessiva a reverência com que vos tratam e apresentam as matérias para despacho. Pelo menos num desses assuntos, pareceu-me que alguns deles estarão directamente interessados na solução apresentada a V. Majestade e que existe no Reino quem seja muito mais capaz de promover a realização dos objectivos pretendidos e garantidamente com muito maior satisfação dos vossos súbditos. Permiti-me ainda abusar da v. bondade em me ouvir e dizer-vos que me pareceis demasiado crente nos elogios tão artificiais dos vossos secretários que cheiram a bajulice interesseira à distância, o que vos poderá vir a colocar numa situação falsa perante os vossos súbditos.”
Surpreendido, o Rei virou-se para o primo e retorquiu-lhe que já não era criança como nos tempos em que brincavam todo o dia e que tinha inteira confiança nos secretários que já haviam servido fielmente seu Pai, que conheciam bem o reino e os procedimentos da governação e que certamente só queriam o bem do seu Rei. Passou-lhe o braço pelo ombro e acrescentou que não se preocupasse, passando ambos para a sala de banquetes onde o presenteou com uma magnífica refeição ao som dos seus músicos.
Claro que o leitor já adivinhou o fim da história que aqui revisitei. Passados poucos anos sobre este episódio, o Rei passeava todo orgulhoso de si na rua com um séquito a acompanhá-lo, imaginando que as vestes que usava eram magníficas, porque assim lho garantiam os seus secretários. Até que uma criança na sua simplicidade gritou: o Rei vai nu! Só nessa altura, perante o gozo e chacota de todos o Rei caiu em si cheio de vergonha, lembrando-se então, tarde demais, do aviso que o seu primo velho companheiro de brincadeiras, afinal o único verdadeiramente fiel e verdadeiro, lhe tinha dado.
Moral da história? Nenhuma, caro leitor. Apenas a verificação de que todos os dias e em todos os sítios continuamos a assistir à representação desta velha história que de infantil não tem nada.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 12 de Dezembro de 2011

domingo, 11 de dezembro de 2011

The Pogues and Kirsty MacColl - Fairytale of New York

Longa vida a Manuel de Oliveira

Hoje, que faz 103 anos, Manuel de Oliveira respondeu a uma série de perguntas de Fátima Campos Ferreira, quase todas idiotas a armar em intelectual.
À pergunta (profunda) sobre o que esperava alcançar com as corridas de automóveis, respondeu MO: chegar primeiro. Ora bem!

Improvável, mas espectacular

Tr~es grandes senhoras

Dean Martin & Nancy Sinatra - Things

Andy Williams - Moon River (Year 1961)

Perceber Sarkozy?

Leituras:

«Fui para dentro e jantei. Para França, foi uma refeição a valer, mas, depois de Espanha, parecia cuidadosamente racionada. Bebi uma garrafa de vinho, para acompanhar. Era Château-Margaux. Sabia bem beber devagar e saborear o vinho e bebê-lo a sós. Uma garrafa de vinho faz muita companhia. (...) Era confortável estar num país onde era tão fácil tornar felizes as pessoas. Nunca se sabe se um criado espanhol nos agradece. Em França, tudo assenta numa tão clara base financeira. É o mais simples dos países para viver. Ninguém complica as coisas pelo facto de se travar de amizade connosco por qualquer razão obscura. Se a gente quer que gostem de nós basta gastar um dinheirito.»


Ernest Hemingway, Fiesta


Editorial Verbo, 1972. Colecção Livros RTP, nº 92.


(Tradução de Jorge de Sena)

Ruptura/FER sai do Bloco - Renascença

Sai a esquerda da esquerda à esquerda. Confusos? Não vale a pena

Ruptura/FER sai do Bloco - Renascença

Uma criança em Paris - Opinião - DN

Uma criança em Paris - Opinião - DN

Seguro acusa Governo de conduzir país para a pobreza (vídeo)

Há os apaixonados pela austeridade e há os apaixonados pela dívida e que, ainda por cima, não têm qualquer intenção de pagar.

Seguro acusa Governo de conduzir país para a pobreza (vídeo): Secretário-geral do PS considera que o Executivo de Passos Coelho "é apaixonado pela austeridade" e não manifesta vontade para liderar um processo de mudança conjunta.

Mais um ditador "out"

Noriega chega ao Panamá para cumprir mais 20 anos de prisão: O ex-ditador militar do Panamá Manuel Noriega foi este domingo extraditado de Paris para o país natal, onde o aguarda uma pena de prisão de 20 anos, pela morte e desaparecimento de opositores ao seu regime, após já duas décadas de encarceramento cumpridas nos Estados Unidos e em França.

Para continuação de conversa (II)

Para continuação de conversa (II):

Vasco Pulido Valente, hoje no Público, contra o utilitarismo dos escravos.



(texto copiado do Estado Sentido)



O veto da Inglaterra na última cimeira foi invariavelmente explicado pelo interesse (ou interesses) nacionais que ela queria proteger, e antes de mais nada a primazia da City como praça financeira. Este preconceito tem tradições. Já Napoleão dizia que a Inglaterra era um país de merceeiros. Não ocorreu a ninguém que as razões fossem outras. Mas basta conhecer o sítio e um pouco da velha história dela para se perceber que a Inglaterra nunca engoliria o plano de Merkel, porque ele na essência limita os poderes do Parlamento, que são a origem e o fundamento da legitimidade e do Estado. Um Parlamento que aceitasse a tutoria orçamental da burocracia de Bruxelas, que ninguém elegeu e não precisa de responder perante ninguém, deixava de ser o Parlamento e a Inglaterra deixava de ser a Inglaterra.

Claro que a sra. Merkel não é Hitler ou o imperador Guilherme II e não quer hoje, como ontem, dominar a Europa. Mas basta comparar o mapa da Alemanha nazi em 1943 com o mapa da UE para se descobrir um ponto interessante: tirando menos de meia dúzia de excepções, os dois quase coincidem. Se em vez de um mapa militar, esse mapa fosse político, descreveria com exactidão a força da democracia na "Europa". No Sul e Sudeste, por exemplo, a democracia ainda não chegou aos cem anos e continua a não se distinguir pelos seus costumes. No centro, é o resultado recente do colapso do império soviético. Só no Norte e em franjas do Noroeste, ela faz parte de uma velha cultura nacional. Não admira que a prepotência de Sarkozy e Merkel não perturbe por aí além os 27. Estão habituados.

Quanto a Portugal, com uma interminável ditadura, um ensaio de revolução "leninista" e uma Constituição absurda, que, apesar de revista, vai persistentemente conservando restos do marxismo vulgar e as fantasias da esquerda de 1970, não promete muito. Nem a vida política, como se formou e desenvolveu a partir de 1980, com a sua pública tolerância da corrupção e da intriga, ajudou a que se formasse uma consciência cívica. Os sobressaltos que de quando em quando imaginários perigos para a nossa imaginária soberania provocam no coração sensível de alguns patriotas não passam, no fundo, de uma retórica obsoleta e relutante. Por isso, Passos Coelho não sofreu com certeza uma dor lancinante com a assinatura do acordo intergovernamental de anteontem. A democracia não lhe pesa, nem nos pesa a nós.

E mesmo depois desta cretinice de quem "desgovernou" isto durante seis anos, ainda há quem o defenda.

Possível fim do euro já é discutido pelos economistas - Economia - DN

Possível fim do euro já é discutido pelos economistas - Economia - DN

Calha bem; como se os economistas resolvessem alguma coisa.

"Os jovens estão a encontrar formas de mudar sociedades" - Globo - DN

"Os jovens estão a encontrar formas de mudar sociedades" - Globo - DN

E não se livram destes cromos?

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

ALERTA VERMELHO

É certo que, quando a ganância se alia à hipocrisia e os responsáveis pelo bem-estar e segurança de todos assobiam para o lado, só se podem esperar maus resultados. A luta contra a droga e os seus efeitos devastadores, em particular entre os jovens, tem tido momentos de maior ou menor sucesso, mas tem sido uma constante assumida pela sociedade. Até agora.
Nos últimos tempos, têm aberto legalmente ao público dezenas de lojas por todo o país, incluindo Coimbra, que se dedicam a um estranho comércio.
Essas lojas, conhecidas por “smart shops”, com uma decoração a preto e vermelho e cheias de palavras inglesas que remetem claramente para viagens, alucinações, pedradas, etc. vendem, supostamente, produtos que classificam como fertilizantes para plantas. Esses produtos, com diversas dosagens, são caros. Cada embalagem ou dose custa entre 12 e 40 euros. No exterior contêm avisos do tipo “não para consumo humano”, “fertilizante para plantas” e “não somos responsáveis por uso indevido”.
Na verdade, ninguém sabe bem a composição daquele pó ou do que está dentro das drageias. Mas o produto base, isso sabe-se bem o que é e não tem nada a ver com plantas. É conhecido internacionalmente por “miau miau” e o seu verdadeiro nome é mefedrona. É uma droga sintética, com efeitos alucinogénicos que muitos comparam à cocaína para pior, embora ainda não esteja devidamente estudada e só se lhe conheçam alguns dos trágicos efeitos em casos concretos por todo o mundo. Uma coisa se sabe no entanto: não há conhecimento de que alguma vez tenha sido usada como fertilizante para plantas, seja onde for.
Já está proibida em muitos países, mas ainda não em Portugal onde pode ser vendida, embora não para consumo humano, razão por que se continua a ver “lojas espertas” com portas abertas por todo o lado. Ainda não foi incluída na lista de drogas do INFARMED, pelo que a venda é livre. Entretanto, os vendedores vão desde já adiantando que, depois de ser proibida, bastará alterar ligeiramente a composição química para que possa continuar a ser vendida.
Isto é, o negócio e os lucros com um comércio infame e nojento que essencialmente destrói a juventude e as famílias continuam impunes e a alastrar com o maior dos à-vontades e a complacência, para não dizer mais, das autoridades. A ASAE, que tão competente tem sido nos últimos anos e ainda bem, a combater falcatruas no comércio ainda não deu por isto, ou anda distraída. Na verdade, ninguém sabe exactamente o que está dentro daquelas saquetas e elas estão à venda. Todos sabemos que se alguém abrir uma loja com pistolas e lhes chamar “pedaços de aço” para decoração e escrever que não se destinam a matar e que não é responsável por uso indevido, a loja será imediatamente encerrada. Isto é, neste caso a hipocrisia campeia à vista de toda a gente.
Se muitos dos compradores sabem exactamente ao que vão, muitos jovens compram e começam a usar mefedrona, porque sendo livremente comprada em lojas de porta aberta acreditam que não faz mal e que não se trata de verdadeira droga, já que essa é ilegal e só se compra aos “dealers” às escondidas.
Urge acabar rapidamente com esta situação. Acredito que a maior parte das pessoas e mesmo muitos pais não fazem ideia de que estas coisas se passam ao nosso lado. Por isso mesmo, todos os alertas são importantes, para que o Estado acorde e exerça o seu dever de protecção dos cidadãos.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 5 de Dezembro de 2011

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

E.U.

Agora que o furacão das dificuldades de colocação de dívida pública se aproxima do centro da Europa, chegou a altura de se discutir a E.U. (Europa Unida) em vez da U.E. (União Europeia).
A desunião da União Europeia teve o seu epílogo na última reunião do G20 que decorreu entre dez e doze deste mês e que na realidade foi do G19 (20-1). Na verdade, ao contrário do que deveria suceder, a UE não esteve representada ao lado da Alemanha, da França, do Reino Unido, da Itália e dos restantes países que constituem aquele fórum. Foi com grande espanto que o resto do mundo assistiu ao triste espectáculo dos representantes da Alemanha e da França a anularem a representação da EU e mostrarem ali à frente de todos que a Europa está completamente desunida e à mercê de Merkel e Sarkozy na definição das respostas à crise da dívida pública dos países europeus e do futuro da economia.
Depois daquele G19, não passou nem uma semana até que na Grécia e em Itália os governos tivessem sido substituídos por tecnocratas, sem realização de eleições. Claro que a democracia foi formalmente respeitada, dado que aqueles países se viram de tal forma encostados à parede pela dupla que governa a U.E., que os parlamentos respectivos trataram de rapidamente encontrar soluções constitucionalmente aceites mas adequadas aos objectivos. Ajudou que o ex-primeiro Ministro Grego Papandreou tenha feito aquela rábula grotesca da ameaça do referendo sobre a ajuda à Grécia. E o facto de em Itália estar um Berlusconi à frente do Governo também terá facilitado as coisas. Não se pode dizer em verdade que a Democracia tenha sido suspensa em Itália e na Grécia. Mas foi claramente torpedeada e abriu-se um precedente grave: não há dúvidas de que a soberania daqueles dois países, curiosamente berço das duas civilizações que estão na base da Europa, ficou claramente afectada, face às imposições de quem manda na EU.
Os problemas da colocação de dívida pública começaram por países com graves deficiências internas, embora diferentes entre si: Irlanda, Grécia, Portugal e agora Espanha e Itália. Para qualquer um deles as taxas de colocação de dívida pública subiram a valores que tornaram a situação insustentável; alguns foram já obrigados a pedir ajuda externa para se financiarem temporariamente fora dos mercados, o que tem a contrapartida de facturas pesadíssimas para as economias dos países e, essencialmente, para os respectivos cidadãos. Mas todos estes países fazem parte de uma união económica e monetária, tendo o Euro como moeda comum. Têm moeda comum, mas não têm políticas económicas comuns, nem fiscalidades comuns, nem dívida comum. Tudo foi andando na santa paz da inconsciência enquanto a economia mundial funcionou bem, anulando as ineficiências económicas nacionais. Após o furacão financeiro de 2008, as finanças dos países ficaram destapadas e à mercê dos mercados que, com a globalização e falta de controlo e regulação de fluxos financeiros, permitiram grandes lucros instantâneos à custa da exploração das fragilidades nas dívidas públicas nacionais.
O problema, que era até há pouco apenas dos países incumpridores, foi entretanto crescendo e evoluindo para o centro da EU, chegando agora a França e à própria Alemanha, como o atestam as dificuldades actuais de colocação de dívida pública alemã e as previsões de descida de rating da França. Não alinho com aqueles que dizem ser Merkel a continuadora de Hitler nos seus propósitos de conquistar a Europa, agora por via da economia e já não pelas armas. Mas que a Alemanha e a França têm que abandonar as posições de suposta auto-protecção que têm tido e devem urgentemente conciliar os seus interesses com os da restante União Europeia para a construção da Europa Unida, isso também me parece evidente. Aliás, agora são os próprios mercados que já o dizem alto e bom som a Merkel e Sarkozy, o que significa que resta muito pouco tempo para defender o Euro.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 28 de Novembro de 2011

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

MULHER, hoje

Infelizmente acontece com raridade, mas por vezes temos a oportunidade feliz de observar a prestação pública de mulheres, na política e não só, que demonstram a capacidade de se assumir como pessoas por inteiro, não apenas como mulheres, mas não deixando de ser inteiramente mulheres. Ao longo das últimas décadas poucas mulheres se afirmaram politicamente ao mais alto nível entre nós, sendo de realçar Maria de Lurdes Pintasilgo, Leonor Beleza, Helena Roseta e Natália Correia. Num mundo claramente masculino, qualquer uma delas teve que manifestar uma capacidade e personalidade muito acima da média para vingar, ao contrário da esmagadora maioria dos homens que surgiam a seu lado.
A alteração do papel das mulheres é, claramente, uma das mais marcantes e substanciais mudanças sociais surgidas na segunda metade do século XX. É hoje óbvio que o surgimento e disseminação de métodos anti-concepcionais, principalmente a pílula, libertou a mulher ocidental, dando-lhe acesso generalizado a um mundo antes exclusivo dos homens. A possibilidade de determinar a sua maternidade, escolhendo quando e como ser mãe, abriu toda uma nova forma de encarar o mundo, com mais liberdade e responsabilidade, também.
Com o objectivo de, mais cedo ou mais tarde, se conseguir uma paridade que dê às mulheres um papel político mais equilibrado e consentâneo com a sua representatividade numérica na sociedade, temos desde 2006 uma lei que obriga a que as listas partidárias nas diversas eleições incluam pelo menos um terço de mulheres. Se, por um lado, a existência das quotas abre uma janela de oportunidade a mulheres que de outra forma teriam dificuldade em aceder a uma actividade relevante e de gestão do bem comum como é a política, por outro lado trouxe aos partidos mais uma dificuldade acrescida de gestão dos seus quadros. A verdade é que o nº de mulheres que participam nas actividades do dia-a-dia dos partidos é claramente inferior à quota definida por lei. Significa isto que, aquando da elaboração das listas os partidos vão procurar mulheres para preencher as quotas, tendo uns convites certamente razões válidas e positivas e outros menos; as quotas são muitas vezes preenchidas com mulheres de valia pessoal e capazes na sua vida profissional, mas não tendo frequentemente qualquer ideia nem projecto político para os cargos que vão exercer, nem experiência política ou de gestão. Assiste-se depois, frequentemente, a um penoso exercício de funções públicas sem qualquer estratégia política, às mãos de burocratas, que desbarata completamente a possibilidade de construção de um futuro melhor. Nos últimos anos assistimos a demasiados casos destes, aos mais diversos níveis, mesmo ministeriais onde as quotas nem têm que ser cumpridas. Pelo contrário, fora da política, muitas mulheres se destacam pela sua valia pessoal e pelos sucessos que obtêm através de um esforço, tantas vezes titânico, porque aliam profissão e família. Tanto nas áreas empresariais, como na cultura, ensino e muitas outras, vemos mulheres a ultrapassar dificuldades, a mostrar como de pouco se faz muito, tantas vezes com um sorriso no rosto, mal se adivinhando as dificuldades que por lá vão. E, para estas mulheres não há quotas, que os políticos legislam muitas vezes a pensar só no seu pequeno e reservado mundo.
A Lei da Paridade, inteiramente justa nos seus propósitos, já tem uma duração suficiente para que seja sujeita a uma avaliação. De facto, só por ingenuidade ou boa-vontade perversa se pode dizer que está a conseguir os seus objectivos. As mulheres que se afirmam por si sem necessidade de apoios artificiais, merecem-no e a sociedade deve exigir que o bem comum seja tratado por quem é mais capaz, não interessando se é homem ou mulher. Há muitas mulheres verdadeiramente excepcionais que mostram a todos como se trabalha, quer profissionalmente, quer para o bem comum. Só que a essas os partidos não fazem normalmente convites, certamente com medo da sua capacidade.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 21 de Novembro de 2011

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

As Beiras: a nossa Região


Sem que eu mesmo tenha contribuído em nada para isso, a vida fez de mim um beirão. Ainda mais que um conimbricense que também sou assumidamente, embora não tenha nada de "coimbrinha", como se costuma dizer. Sou, portanto, um beirão assumido.

Nascido em Poiares, crescido em Oliveira do Hospital, com raízes na Sertã e na Covilhã, terras magníficas onde cimentei amizades até hoje, aportei um dia em Coimbra para acabar o Liceu no D. João III e nunca mais daqui saí, embora tenha navegado pelos actuais mares portugueses da Madeira e dos Açores e trabalhado em outras terras como o Porto e a Figueira da Foz.

Por tudo isto considero ter da nossa região uma visão algo particular, mesmo privilegiada. Conhecendo e tendo grande afectividade pelo interior de boa parte da região Centro, tenho dela também uma visão de fora com uma característica: não é uma visão lisboeta, tão comum a quem vai daqui para Lisboa. Porque é assim, a Região Centro, em conjunto ou pelas diversas visões sectoriais tem sido um dos assuntos mais constantes destas minhas crónicas.

Como é evidente em muitas áreas e a diversos níveis, começando pela própria União Europeia, também na região Centro se verifica hoje uma notória falta de liderança. Aliás, corrijo: há falta de liderança, desde há muito tempo, infelizmente.

Os últimos governos foram retirando poderes e competências às Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional que se foram transformando em simples estruturas descentralizadas do poder central, isto é, de Lisboa. Por outro lado, foi cristalizando uma ideia peregrina segundo a qual a Região Centro, ao contrário das outras que têm uma capitalidade bem definida, deverá ser polinucleada. Isto significa apenas uma coisa: Lisboa determina que Coimbra não pode ser capital de nada, e sim apenas mais uma das cidades da Região sem nada que a distinga particularmente, embora isto seja um absurdo óbvio. Mas a ideia vingou de tal forma, que serviu para se irem retirando serviços regionais de cá, distribuindo-os pelas outras cidades da região, deslocalizações essas com custos bem elevados, sem que nunca fossem demonstrados os benefícios.

Sublinho novamente: isto acontece porque a região Centro não tem liderança. Não a tendo, a responsabilidade é de Coimbra e dos seus dirigentes políticos. Coimbra deverá tirar-se das suas tamanquinhas como costuma dizer-se, e assumir o seu papel na Região, com naturalidade e sem se impor às outras cidades; antes pelo contrário, chamando-as e acertando estratégias regionais comuns, sejam quais forem os critérios regionalistas impostos por Lisboa. Na verdade, com as raras e honrosas excepções que confirmam a regra, os nossos líderes políticos não têm tido a vontade, o engenho ou a simples força anímica para colocar Coimbra na situação que lhe deveria competir na Região Centro, para bem de toda a região. A Região Centro ou se afirma de uma forma clara e capaz, ou desaparecerá no meio das duas áreas metropolitanas que a esmagam cada vez mais.

Estamos num tempo de charneira, que poderá colocar o próprio Regime em causa. Quem tem responsabilidades políticas que abandone decisivamente os maus hábitos ancestrais da cidade e se liberte das peias dos grupos e grupinhos de interesses que apenas lutam por arranjar colocação para os seus apaniguados, independentemente de qualidades e capacidades. O tempo actual deverá servir para cerrar fileiras e definir estratégias a longo prazo, o que só se fará com quem for capaz para tal.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 7 de Novembro de 2011

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

GIGANTES COM PÉS DE BARRO


Se durante a sua vida o coronel Kadhafi garantiu um lugar na História dos governantes mais sanguinários, as circunstâncias do seu bárbaro assassinato vieram colocá-lo noutra lista ainda mais trágica: a dos políticos cuja carreira acabou de forma violenta, onde foi fazer companhia a Saddam Hussein, Nicolae Ceaucescu, Mussolini, Nino Vieira e até Bin Laden, entre outros, só para referir os mais recentes.

Como sucedeu com tantos outros ditadores, a vida de Kadhafi enquanto líder provocou as reacções mais contraditórias por todo o mundo, o que foi visível mesmo aquando do seu desaparecimento.

Durante muitos anos foi a coqueluche de muitos esquerdistas, defensores de socialismos diversos, pan-arabistas, terceiro-mundistas, etc. Muito por causa do seu famoso "Livro Verde". Tal como o "Livro Vermelho" de Mao Tse Tung, incendiou massas de jovens ocidentais vivendo no auge da prosperidade capitalista ocidental pós-guerra, que acreditaram que aquelas fantasias poderiam levar a alguma coisa parecida com mais justiça e liberdade.

Entretanto, Kadhafi ia calmamente usando os dinheiros do petróleo líbio para promover o terrorismo pelo mundo inteiro, salientando-se o apoio ao tristemente célebre "Carlos", a ligação à Fatah e atentado nos Jogos Olímpicos de Munique em 1972 e os atentados a aviões como o de "Lockerbie" em 1988 em que morreram 270 pessoas.

O dinheiro do petróleo líbio serviu ainda para comprar apoios internacionais, sendo absolutamente risível a figura de muitos governantes de todo o mundo fotografando-se ao lado de Kadhafi, praticamente até ao seu fim. Tony Blair, sempre ele com a sua suprema e hipócrita capacidade de mentir, chegou ao ponto de colaborar com Kadhafi numa encenação ridícula para deixar levar o terrorista líbio de Lockerbie de uma prisão inglesa para a Líbia, a troco de uns contratos de petróleo com a BP. Suprema ironia, a Líbia esteve mesmo à frente à frente da agência dos direitos humanos da ONU durante algum tempo. Isto para não falar da fortuna colossal de dezenas de milhares de milhões de euros que Kadhafi tinha espalhados pelo mundo inteiro e que não lhe valeram de nada na hora da morte à saída de um cano de esgoto.

No que se convencionou chamar "Primavera Árabe", é outra ditadura que chegou ao fim, depois da Tunísia e do Egipto. Muitos afadigam-se a celebrar os novos tempos nos países árabes, do que se podem vir a arrepender em pouco tempo. A gente que assassinou Kadhafi daquela maneira não será certamente melhor que ele. Do Egipto vêm também notícias inquietantes no que diz respeito às liberdades e direitos humanos.

 
No meio disto tudo, muito fica por explicar quanto à decisão da NATO em apoiar militarmente as forças contrárias a Kadhafi, sem o que o ditador líbio não teria caído. E saltou à vista um aspecto muito assustador da moderna guerra que é o uso dos aviões não tripulados comandados de uma sala algures no interior dos Estados Unidos e que eliminam alvos concretos em qualquer parte do mundo, como na Líbia, no Iraque, no Afeganistão e sabe-se lá mais aonde. A utilização dos "drones" está cada vez mais a parecer-se com assassínio estatal à distância (ainda que quem maneja o joy-stick esteja fardado), sem julgamentos nem hipóteses de defesa, seja de americanos ou outros e deveria ser motivo de uma discussão e regulação de utilização internacional.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 31 de Outubro de 2011

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

AUSTERIDADE FORÇADA

Desde há alguns meses que somos diariamente confrontados com o termo "austeridade". Até parece que é castigo, por diversos motivos. E, provavelmente, não deveria sê-lo.

O que significa ser-se austero? Significa recusar abusos, ser severo, ser disciplinado com rigor. Verifica-se, assim, que austero, tanto o pode ser um rico como um pobre.

Os economistas pegaram no termo e começaram a aplicá-lo com o significado de rigor no controle de despesas do Estado. Quando os governos se endividam em excesso e não controlam os seus gastos, permitindo que os défices orçamentais subam de tal forma que o financiamento normal se torna difícil ou mesmo inviável, chega um momento em que só lhes restam normalmente duas hipóteses: ou renegoceiam a dívida, o que significa falência ou muito perto dela, ou pedem ajuda às entidades internacionais constituídas para isso mesmo, como o FMI. Nessas alturas lá vêm as ditas medidas de austeridade, que visam essencialmente que o Estado gaste menos dinheiro que, como se sabe, vem dos impostos dos cidadãos e da economia.

Austeridade do Estado, portanto. Quando o Estado se transforma num "monstro", para utilizar a imagem que entrou no nosso léxico há uns anos atrás, isso significa que, por mais que a economia produza, está lá omnipresente o Estado para absorver e frequentemente malbaratar grande parte do rendimento, impedindo o próprio crescimento da economia. É uma situação de Estado asfixiante do próprio país.

Portugal chegou claramente a este ponto. Não foi a economia que nos trouxe aqui; nem os trabalhadores. Foi um Estado tentacular que tudo quis definir através dos meios que deveriam ter sido entregues ao empreendedorismo, à capacidade de inovação e de assunção de risco, em suma à economia. O Estado definiu completamente quais as áreas de futuro, quais as actividades económicas a eliminar e a apoiar; fez isto de todas as formas e o país está exangue, estragado e dividido. A pesca foi quase eliminada, a agricultura foi abandonada e praticamente entregue às estratégias francesa e alemã, a indústria pesada destruída e o turismo virado para a exploração maciça dos chamados turistas de pé descalço. Tudo isto enquanto as cidades eram sistematicamente maltratadas crescendo em mancha de óleo, o território desordenado e desfeado, e o custo de manutenção de infra-estruturas foi crescendo em espiral. O Estado descobriu métodos financeiros para construir obra sem método nem controle de custos, endividando-nos de forma irreparável, como aconteceu com as parcerias público-privadas das SCUTS e outras. Para se ter uma ideia do que estou a falar, entre 2014 e 2018 vamos ter de pagar 2,5 mil milhões de euros em cada ano pelas tais PPP e entre 2018 e 2026, essa renda nunca descerá abaixo de 1,5 mil milhões por ano.

Chegou-se a um ponto em que a austeridade do Estado não é suficiente. Claro que essa austeridade é necessária e tem de ser obtida e mantida para futuro. Por exemplo, as PPP já constituídas têm, obrigatoriamente, que ser renegociadas, com distribuição mais equitativa das responsabilidades, não podendo os riscos e custos ficar todos do lado dos contribuintes. Mas a conta chegou a praticamente todos os portugueses de forma dramática. Se para o Estado se pode realmente falar em austeridade, para os portugueses em geral a situação tem outro nome: empobrecimento. É de facto de empobrecimento generalizado que se fala e há que assumir isso, não esquecendo que muitos destes novos pobres o são e vão ser como consequência das políticas públicas dos últimos anos. É por isso que o Estado tem nesta altura particulares responsabilidades nessa matéria, não podendo deixar de assumi-las.
Publicado otiginalmente no Diário de Coimbra em 24 de Outubro de 2011

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

AR E VENTO

Ao longo dos últimos anos, escrevi neste espaço sobre o processo que levou à instalação dos moinhos de vento que se amontoam pelas cristas dessas serras do nosso país. Basicamente, uma actividade economicamente não rentável foi alimentada artificialmente pela mão do Governo. Uma enorme quantidade de dinheiro, vinda quer de fundos europeus, quer do orçamento do Estado, quer dos bolsos de todos os consumidores de electricidade que somos todos nós, foi retirada do apoio a actividades económicas rentáveis para pagar aquilo que governantes decidiram que era o futuro. Para além do disparate que é sempre os políticos decidirem quais as actividades económicas "do futuro", assim se ajudou a cavar ainda mais o buraco em que estamos metidos.
O ministro da Economia que promoveu esta estratégia ficou famoso por ter sido despedido na sequência de "fazer uns corninhos" a deputados da oposição em plena Assembleia da República. Soube-se depois que foi para os EUA dar aulas numa Universidade num curso pago principescamente pela "nossa" EDP, precisamente sobre a estratégia das energias renováveis. Calha bem que tenha ido ensinar essas coisas aos americanos. Só que a famosa "aldeia global" não nos deixa hoje na ignorância sobre o que se passa em qualquer parte do mundo.

 
O Presidente Obama também faz parte daquele grupo de fanáticos das energias renováveis à custa dos outros, mas nessa, como noutras áreas, tem-lhe corrido tudo ao contrário do que esperava. Em 2010, Obama apresentou ao mundo uma fábrica gigantesca para fabrico de equipamentos para as energias renováveis, no caso a SOLYNDRA dedicada ao fabrico de painéis solares. A história da Solyndra é todo um compêndio de ideias pré-concebidas, fanatismos ecológicos, dinheiro público atirado a rodos para actividades económicas definidas pelos políticos como estratégicas e mesmo, quase certamente, corrupção em larga escala. Apesar de pareceres técnicos desfavoráveis dos serviços públicos competentes, o pessoal de Obama arranjou maneira de ultrapassar tudo isso e entregar 500 mil milhões de dólares aos investidores que o convenceram de que ali estava o futuro, como Obama proclamava. Os painéis a produzir pela Solyndra seriam o supra-sumo da indústria mundial de painéis solares, porque não precisavam de silício e teriam uma instalação muito barata. Bendita e cara fantasia. A gigantesca fábrica que Obama aprovou dois meses depois de eleito, apresentando-a ao mundo como "o futuro hoje", abriu em Maio de 2010 para fechar falida em Setembro de 2011. Cada americano vai pagar mais de um dólar e meio de impostos pela falência da Solyndra, para além dos postos de trabalho perdidos.

Mais um caso em que os políticos definiram um futuro que a realidade económica se encarregou de matar. Neste caso, talvez depressa demais, tão depressa que o presidente que assiste à falência é ainda o mesmo que decidiu esse caminho.

Entre nós, todos o sabemos infelizmente, temos um buraco gigantesco que agora vamos pagar. Grande parte dele foi escavado por decisões insensatas justificadas as mais das vezes por boas intenções que poucos tiveram coragem de denunciar na altura certa porque eram imediatamente apelidados de atrasados, ignorantes e sabe-se lá mais o quê.

Que a dimensão da crise e da chamada "austeridade" imposta tenha ao menos o condão de abrir os olhos aos portugueses para não se deixarem novamente levar por cantos de sereia.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 17 de Outubro de 2011

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

CAVALOS DE TRÓIA



1. A cultura clássica é abundante em histórias e mitos que explicam a acção dos homens. Mostram-nos claramente que, apesar dos progressos tecnológicos dos últimos anos e da evolução das regras sociais, há uma permanência espantosa nos sentimentos e até nos procedimentos de cada um de nós.
Amores desencontrados, raptos, ciúmes e defesas de honra violentas levaram à guerra de Tróia que durou dez anos por volta de 1.200 anos antes de Cristo. Homero descreveu os anos finais da Guerra de Tróia na sua Ilíada e aí ficamos a saber das extremas dificuldades sentidas pelos Gregos em tomar Tróia por eles cercada durante dez anos. Já depois do seu chefe Aquiles ter morrido, os Gregos resolveram adoptar um plano traiçoeiro imaginado por Odisseu para finalmente ocuparem Tróia.
Assim, como Virgílio descreve detalhadamente na sua Eneida, desmontaram os acampamentos do cerco, fingindo desistência dos intentos de tomada de Tróia e deixando junto das muralhas da cidade um enorme cavalo de madeira que haviam construído. Ignorando os avisos de Laocoonte, sacerdote de Apolo, os Troianos levaram o cavalo de madeira para dentro das muralhas, tendo passado toda a noite a celebrar a retirada dos gregos. Foi então que de dentro do cavalo oco de madeira saíram alguns soldados Gregos que abriram as portas das muralhas, permitindo a entrada dos seus exércitos que assim finalmente ocuparam Tróia, permitindo o regresso da rainha Helena a Esparta.
Mito ou realidade, o "Cavalo de Tróia" ficou para sempre como o símbolo da esperteza sobre a força e da derrota da ingenuidade e da crença nas aparências.
2. No dia 1 de Outubro celebrou-se novamente o Dia Mundial da Música em Coimbra. Claro que a Orquestra Clássica do Centro residente em Coimbra, não podia deixar de celebrar esse dia, tendo realizado um concerto que incluiu a difícil Sinfonia do Novo Mundo de Dvorak, em que os jovens músicos da Orquestra Juvenil do Centro também participaram, tendo oportunidade de mostrar as suas capacidades. Casa cheia e público a aplaudir entusiasmadíssimo. Mas, no mesmo dia e à mesma hora, houve outro concerto comemorativo do Dia Mundial da Música no Teatro Académico de Gil Vicente. Neste concerto actuou a Osquestra Filarmonia das Beiras, que tem sede em Aveiro e veio à nossa cidade comemorar esse dia. Foi assim que, nessa noite, Coimbra teve o privilégio de ter dois grandes concertos, o que é coisa rara, mas mostra que Coimbra tem público para toda essa oferta. Deve-se certamente agradecer a quem, mesmo retirando a Aveiro a hipótese de celebrar a Música no dia próprio estabelecido pela UNESCO em 1975, transformou nessa noite Coimbra na capital da música em Portugal
3. O leitor que pacientemente me leu até este ponto deverá estar a perguntar a si próprio se o autor destes "vistos de dentro" mudou de estilo e aderiu às mais ligeiras crónicas de diversos pontos, em vez da abordagem de uma única matéria. Devo dizer que, embora possa parecer o contrário, tal não é verdade tendo esta crónica apenas um assunto. Como conimbricense e em liberdade, faço votos que na nossa Cidade Laocoonte não se sentisse só e recordo que a partir de Coimbra Adriano cantou para todo o país as palavras de Alegre: "há sempre alguém que resiste, há sempre alguém que diz não".

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 10 Outubro 2011

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

A FUNDAÇÃO

 
As Fundações são uma espécie de Associações muito especiais que proliferaram entre nós nos últimos anos como cogumelos nas primeiras chuvas do Outono.

Mas há uma Fundação mesmo muito especial que não deixa de nos surpreender e que diz muito do Portugal dos últimos anos.

O Centro Cultural de Belém é uma estrutura que nos suscita reacções opostas. Por um lado, é um conjunto de grande qualidade em termos arquitectónicos, beneficiando ainda de uma localização privilegiada, quer em termos naturais com o Tejo bem perto, quer em termos urbanos e patrimoniais com os Jerónimos mesmo ao lado.

Mas o preço que custou e, fundamentalmente, o desvio brutal face ao orçamento que estava inicialmente previsto (de 31 para 200 milhões de euros), ficará para sempre como um símbolo do país que fomos criando ao longo das últimas décadas, agora que muitos responsáveis nos tentam ensinar que "vivemos acima das nossas posses". Pelos vistos, se isso é verdade, houve ao longo dos anos muitos políticos que ajudaram a criar essa situação e que por pudor se deveriam abster de criticar os portugueses comuns por tal atitude.

Os 97.000 metros quadrados do CCB albergam desde 2007, em permanência, a Colecção Berardo que é gerida por uma Fundação própria. A Colecção Berardo foi ocupar o espaço que anteriormente era o Centro de Exposições do CCB. Isto é, o empresário Joe Berardo, também conhecido por Comendador Berardo, obteve do Estado Português um espaço absolutamente privilegiado para expor a sua colecção particular, evitando construir um edifício próprio e poupando até nos elevados encargos de seguro que uma colecção de arte com aquela dimensão exige. Há poucos dias ouvimos declarações do Sr. Comendador, queixando-se de que o Estado se teria atrasado na entrega de dinheiro para pagamento de salários. Vai-se a ver e somos surpreendidos com as contas da tal Fundação. Na realidade, desde 2006 até agora, o Estado pagou à mesma mais de 27 milhões de euros e o Sr. Comendador Berardo 2 milhões, consta que metade desta verba em espécie através da entrega de mais obras de arte avaliadas por ele próprio. Pelos vistos tudo isto em observância do acordo celebrado pelo Estado e o Sr. Comendador, que vai sempre ameaçando com a hipótese de levar as obras de arte para outro lado qualquer se o Estado não se portar bem. Para se ter uma ideia do que estamos a falar, o valor pago pelo Estado foi o equivalente ao dobro do valor anual de apoios estatais às artes cénicas, plásticas e performativas e a artistas independentes. É obra, caramba!

Claro que vindo de quem vem, não é de admirar. Todos percebemos já de que forma o Sr. Comendador conseguia até há pouco tempo trabalhar com o Estado. Basta ver como conseguiu da CGD um empréstimo de centenas de milhões de euros para comprar acções do BCP, dando como garantia as próprias acções, e assim arranjar força accionista para influenciar decisivamente a queda da anterior administração do BCP. Curiosamente, para o lugar dessa administração acabaram por ir os administradores da CGD que terão autorizado a operação de empréstimo. Claro que, com a desvalorização espectacular das acções do BCP, quem está a arder? A Caixa que é do Estado.

O Governo já se terá dado conta do que tem acontecido com estas famosas fundações e mandou fazer um levantamento exaustivo da situação. Outra delas, a famosa Fundação para as Comunicações Móveis, que tem actualmente uma dívida de cerca de 65 milhões de euros, já se sabe que vai fechar. Serviu para financiar os célebres computadores Magalhães distribuídos pelas crianças deste país, dando corpo a mais um dos famigerados "desígnios nacionais" que desde o Euro 2004 têm ajudado a enfiar-nos no buraco em que nos encontramos.

Apetece dizer: Deus nos livre de mais desígnios nacionais e de fundações destas.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 3 de Outubro de 2011

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Mudanças necessárias (também) na Cultura

 

O secretário de Estado da Cultura definiu há poucos dias as orientações políticas do actual Governo para a área da Cultura. Mais uma vez, a escassez geral de dinheiro obrigou a uma redefinição muito clara das políticas, de forma a poupar dinheiro também nesta área, sem colocar em causa o essencial. É assim que Francisco José Viegas definiu que os organismos culturais pagos ou apoiados financeiramente vão ter que apresentar resultados de bilheteira, mantendo embora a sua identidade e independência artísticas. Esta é uma velha questão, nunca completamente resolvida entre nós, embora haja companhias artísticas ditas de vanguarda que até fazem questão em mostrar que não dependem economicamente do Estado, conseguindo públicos próprios que reconhecem o seu trabalham e dão a sua compensação ao trabalho apresentado, através das bilheteiras. E assim deve ser, acrescento eu. Ou a independência é real, ou não é mais que conversa da treta para enganar incautos.

Muitos dizem que o facto de não existir hoje em dia um Ministério da Cultura é uma despromoção para a dita; como se o importante não fosse a política cultural e sim as designações. Digo ainda mais, como se a política dos últimos "Ministros da Cultura" tivesse tido algum impacto na Cultura em Portugal. Na realidade, pouco se viu para além da distribuição de dinheiros pelas corporações instaladas que, e de que maneira, se assenhorearam das programações e até da gestão de muitos dos organismos que vivem à custa desses dinheiros, sem efectivo controlo, dado que o sistema está minado de alto a baixo. A preocupação com a melhoria do nível cultural da população, ou pura e simplesmente desapareceu, ou apenas serviu como argumento para a realização de negócios muito lucrativos para alguns, de que a utilização do Centro Cultural de Belém é apenas o exemplo maior.

 
Os tempos dos grandes mecenas, como os príncipes do Renascimento que, para se fazerem notados e reconhecidos pagavam do seu bolso aos artistas, já lá vão há muito. É verdade que ainda hoje a História Cultural da Humanidade lhes deve grande parte das mais expressivas obras de arte de sempre, seja na pintura, na escultura ou na música. Mas a evolução social e económica alterou completamente essa situação. Com raras excepções, os mecenas são hoje em dia empresas que orientam parte dos seus lucros para as artes a fim de acederem a benefícios fiscais. Há ainda, devo dizê-lo, muitos políticos aos mais diversos níveis, desde ministros a vereadores que se armam em "médicis de trazer por casa" com os dinheiros dos nossos impostos, impondo gostos pessoais e imaginando-se programadores de grande nível apenas porque os que deles dependem lhes batem palmas. Actuando (consciente ou inconscientemente) quase sempre a favor de programadores que, mantendo um pé fora e outro dentro do sistema, acabam por estar no melhor dos mundos, para mal dos projectos sustentados e profissionais que tentam efectivamente trabalhar pela Cultura e pelo povo que precisa dela para evoluir.

Francisco José Viegas, ao contrário de "ministros e ministras" seus antecessores, conhece bem o mundo cultural no seu todo. Não é um académico que escreve sobre cultura. É, para além agente cultural como editor, um artista da escrita consagrado e um apoiante de novos escritores. Conhece o mundo real da Cultura e as suas importantíssimas vertentes económicas. As alterações que definiu para a reorganização de todo o sector cultural do Estado vão na direcção certa, assim os diversos responsáveis estejam à altura para a levar a cabo. Claro que as mudanças põem em causa enormes interesses instalados. Faço votos que, também na área da Cultura, a crise financeira que a todos toca seja usada como oportunidade para fazer mais e melhor com menos dinheiro.

Publicado orginalmente no Diário de Coimbra em 26 de Setembro de 2011