sexta-feira, 31 de maio de 2013

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Modernidade centenária

Faz esta semana cem anos que a Sagração da Primavera foi apresentada ao público pela primeira vez. Na noite de 29 de Maio de 1913, o Teatro dos Campos Elísios em Paris foi palco de um acontecimento que ficaria nos anais da música. A obra de Stravinsky, dirigida por Pierre Monteux, com os Ballets Russos de Diaghilev e a coreografia de Nijinski fez a sua entrada estrondosa na História da Música, provocando um autêntico tumulto entre a assistência que, da forma mais ruidosa possível, manifestou o seu espanto e desagrado perante o que ouvia e observava.
Neste nosso tempo em que podemos visitar todo o passado cultural, em que toda a informação está ao nosso dispor através de uma tecla do computador, é difícil imaginar uma sala a reagir daquela forma à apresentação de uma nova obra musical que dura cerca de meia hora, não mais. Mas estamos também a viver uma época em que o simples facto de uma estreia juntar três vultos da Cultura da dimensão de Stravinsky, Nijinski e Diaghilev é algo de verdadeiramente extraordinário, já que hoje a novidade se cinge cada vez mais ao que sucede na economia e nas finanças e o reconhecimento das próprias obras de arte dificilmente se eleva do seu valor monetário.
Stravinsky foi buscar inspiração às velhas histórias russas pagãs e criou uma obra que não é apenas um ballet, nem um concerto, mas algo que é isso tudo em simultâneo e que, acima de tudo constitui uma experiência inesquecível para todos os que com ela contactam pela primeira vez.
Apesar do escândalo inicial, a Sagração da Primavera entrou no rol das músicas mais ouvidas e as suas apresentações têm-se sucedido por todo o mundo ao longo deste século, embora muitas das coreografias continuem a chocar espíritos menos preparados. Na sua Rússia natal, no entanto, Stravinsky só em 1965 viu o famoso Bolchoï integrar a Sagração da Primavera no seu repertório; o poder soviético só cinquenta anos depois da sua estreia permitiu ao povo russo conhecer a obra prima do seu conterrâneo.
Curiosamente, a obra foi divulgada pelo mundo inteiro por um meio imprevisível, o cinema animado para crianças. De facto, Walt Disney integrou a Sagração no fantástico filme Fantasia que desde 1939 inicia na música gerações e gerações de crianças, tornando-a assim familiar a milhões de pessoas.
Durante boa parte do século vinte discutiu-se o carácter intrinsecamente revolucionário da Sagração da Primavera. Composta num tempo em que os caminhos inovadores da música pareciam passar obrigatoriamente pela novidade da atonalidade, à composição de Stravinsky era negado esse carácter, por seguir a tonalidade, atribuindo-se a sua capacidade de chocar aos seus ritmos avassaladores que deixam os ouvintes sem respiração. Entretanto o tempo passou e, seja porque a formação musical não evoluiu o necessário, seja porque as manifestações artísticas necessitam de adesão afectiva das audiências, para além da pura contemplação racional, a música atonal praticamente saiu de cena e a Sagração da Primavera cá continua a impressionar pela sua modernidade, cem anos depois.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 27 de Maio de 2013

segunda-feira, 20 de maio de 2013

De Coimbra para o mundo



Em Julho de 1969 realizou-se em Coimbra, nos velhos HUC, o primeiro transplante de rim, com dador vivo. Em 1980 foi feito o primeiro transplante com rim de cadáver em Coimbra.
A partir de 1992 iniciou-se em Coimbra um programa continuado de transplantes de fígado, tendo o primeiro transplante de fígado pediátrico sido feito em 1994, o que aconteceu em Portugal pela primeira vez. Em 1995 fez –se em Coimbra, pela primeira vez em todo o mundo, um transplante sequencial com fígado de doente com paramiloidose. Em 1996 iniciaram-se os transplantes de fígado com recurso a bipartições e em 1997 realizou-se nos HUC de Coimbra outra operação inédita em todo o mundo: triplo transplante hepático a partir de um único enxerto de cadáver. Outros exemplos de sucessos em operações de transplantes de fígado originais se fizeram em Coimbra depois disso, como transplante de um lobo de fígado de mãe para filho.
Um amigo meu, professor da Fac. de Medicina de Coimbra costuma dizer que, hoje em dia, todas as cirurgias estão mais ou menos conhecidas e são possíveis para bons cirurgiões. Mas há uma que sobreleva de todas as outras pela sua complexidade e dificuldade técnica, que é a do fígado. E que só um verdadeiro génio da cirurgia pode dominar completamente as técnicas de operações nesse órgão.
Pois bem. Há algo que liga todas aquelas cirurgias a que me referi acima. Todas foram feitas em Coimbra, nos HUC mas, essencialmente, devem-se ao mesmo Homem: Alexandre Linhares Furtado que faz agora dez anos se reformou dos HUC. Não há rigorosamente mais ninguém em Coimbra que tenha atingido o estatuto de um dos melhores do mundo na sua área, para além do Prof. Linhares Furtado.
Ao contrário do que se poderia pensar, o Prof. Furtado não nasceu num meio ligado à Medicina ou à Ciência, nem teve a sua vida académica facilitada pelo nascimento, pelo que a ascensão ao cume da medicina mundial se deveu única e exclusivamente à sua inteligência, capacidade de trabalho e vontade indómita de atingir a excelência.
Desde a Fajã de Baixo no concelho de Ponta Delgada em S. Miguel, Açores, o Prof. Furtado ultrapassou todas as dificuldades, invejas, conservadorismos estéreis mas poderosos e conseguiu colocar a medicina portuguesa num patamar de qualidade nunca antes visto e reconhecido no mundo inteiro. Ao contrário do que infelizmente por vezes se observa por cá, quando o Prof. Furtado se desloca a um fórum de medicina em qualquer parte do mundo, é referenciado como um dos melhores médicos e assim tratado.
Não se pense que os êxitos profissionais e científicos lhe alteraram a maneira simples de ser. E também não lhe diminuíram o espírito curioso e o tempo para ser um Homem culto e mesmo artista de relevo, como o provam os quadros da sua autoria, actividade que o ajudará a manter o equilíbrio interior, mesmo ou principalmente quando a cirurgia lhe exige uma utilização extrema e esgotante de todas as capacidades intelectuais e físicas.
Linhares Furtado é ainda um melómano atento e conhecedor. Não só conhece a música dita clássica a fundo, como não lhe escapam os pormenores das diferentes interpretações e as ligações das diferentes composições com a vida de quem as compôs e respectivas circunstâncias sociais, políticas e económicas.
Costuma classificar-se Coimbra com capital da saúde e tal não andará longe da verdade em vários aspectos. Mas como em todas actividades humanas, o importante são as pessoas. E são as pessoas de excepção como o Prof. Linhares Furtado que, pela sua diferença, marcam definitivamente uma actividade e mesmo a cidade em que trabalham, colocando-lhes o selo da excelência reconhecida não só em Portugal, mas em todo o mundo.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 20 de Maio de 2013

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Realidades e esperanças



Adicionar legenda
Estamos todos recordados das razões que levaram o governo anterior a pedir a intervenção exterior, assinando o famoso “Memorando de Entendimento” com a Troika. A situação das contas públicas em 2011 era de tal ordem que não nos conseguíamos já financiar nos mercados normais: ultrapassando a famosa barreira dos 7%, os juros a que os mercados nos emprestavam dinheiro subiam pavorosamente acima dos dez, onze por cento, o que praticamente inviabilizava o financiamento do país. Foi assim que tivemos que prescindir da nossa soberania e nos obrigámos a cumprir as regras impostas pelo exterior para obtermos o financiamento necessário. O último leilão de maturidade ligeiramente acima dos dez anos, antes da vinda da Troika, foi em Setembro de 2010 com uma taxa de 5,97%. Recorda-se que os leilões realizados de dívida a longo prazo em Novembro de 2010 e em Janeiro de 2011 implicaram taxas de juro superiores a 6,7%.
Pela primeira vez desde então, na semana passada Portugal regressou aos mercados para emitir dívida a longo prazo. Colocou três mil milhões de euros a dez anos e meio, a uma taxa de 5,6%, tendo-se registado uma procura superior a 3 vezes o valor colocado. Isto é, pela primeira vez desde o memorando de entendimento, Portugal financiou-se por si próprio, o que revela uma nova confiança dos investidores no nosso país. Claro que a taxa é muito superior aos 3,2 da troika, o que significa que ainda há um longo e árduo caminho a percorrer, mas este valor veio junto com a perda da nossa soberania, estando condicionado às avaliações da troika. Neste momento aguardamos pela aprovação da sétima avaliação que está difícil de surgir, enquanto se discute se as medidas exigidas pela troika ultrapassam mesmo as fronteiras da legitimidade constitucional.
Apesar de tudo, as notícias da colocação da dívida pública são boas porque mostram que os pesados sacrifícios dos portugueses para recuperarem a sua soberania como povo de uma nação independente e poderem livremente escolher o seu caminho, estão a caminho de terem um fim.
Os comentários a esta colocação foram os mais diversos e surpreendentes. Desde aquela velha direita muito inteligente que temos vir acusar o Governo de continuar a endividar o país até à esquerda do quanto pior melhor a garantir que mesmo assim seremos obrigados a segundo resgate, ouvimos de tudo. Nem uns nem outros percebem (ou não querem que se perceba) que são como os corredores de maratona que desistem ao quilómetro 41. Até mesmo um deputado do PSD, por puro oportunismo político, veio garantir que terminou o tempo político do ministro das Finanças, o que aliás diz muito dos critérios de escolha dos deputados.
Após esta ida aos mercados e se a sétima avaliação da Troika for favorável, cumpriremos as condições para aplicação do programa OMT "Outright Monetary Transactions" anunciado em Setembro passado pelo BCE, como já sucede hoje com a Irlanda. Tal possibilitaria uma descida das taxas, dando oportunidade a uma melhoria das condições da dívida pública sem a tão falada renegociação e consequente transformação de Portugal em pária da comunidade internacional. Assim a UE cumpra o seu papel tal como os portugueses estão penosamente a cumprir o seu com os sacrifícios que lhes foram e estão a ser impostos.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 13 de Maio de 2013

segunda-feira, 6 de maio de 2013

QUEIMA: não te queimes


Nestes dias, Coimbra não parece a mesma. Chegou a Queima das Fitas, festa maior da Cidade. Momento único de união dos conimbricenses com os estudantes da sua Universidade, mesmo ou sobretudo com aqueles que, não sendo de cá, para Coimbra vieram tirar o seu curso superior. Não partilho da opinião de quem acha que nesta altura o melhor é fugir de cá. A alegria dos estudantes e das suas famílias é contagiante. Sente-se ser talvez o último momento de entusiasmo inocente, ligado ainda a um tempo ligeiro, sem grandes preocupações, para além das notas, mesmo numa altura em que um curso superior já não é garantia de emprego, muito longe disso.
A Queima das Fitas (de Coimbra, claro, há outras?) atingiu um patamar que a coloca entre os maiores festivais da Europa. Pela sua duração, pelo nível e variedade dos espectáculos e outros acontecimentos, nomeadamente desportivos, pela enorme capacidade de atracção de visitantes à Cidade.
Desde a Serenata Monumental que enche de gente a velha Alta até ao Baile de Gala passando pelas noites do Parque, pelo Cortejo e por toda uma oferta cultural e desportiva, é um nunca acabar de actividades que deixam aos estudantes pouco tempo para descansar e recuperar forças.
A Cidade beneficia com esta grande Festa, desde o comércio à hotelaria, sem esquecer a notoriedade e a ligação a Coimbra que para sempre ficará no afecto destes jovens e que em grande parte explica a mística de Coimbra no mundo inteiro, valor imenso praticamente indestrutível.
Há certamente aspectos na Queima a pensar e a rever, essencialmente ligados ao consumo de alcool e substâncias ilícitas, não se devendo ignorar este problema, fingindo que não existe. Claro que em Portugal temos uma cultura tradicionalmente laxista relativamente ao consumo de bebidas alcoólicas, mas que a Queima seja conhecida como a festa com o maior consumo de cerveja da Europa não é propriamente uma marca muito recomendável, a não ser para os seus vendedores. Os comportamentos que o exagero desse consumo propicia têm frequentemente consequências lamentáveis e tristes para a vida dos jovens, às vezes mesmo para sempre.
A festa da Queima é bonita, principalmente para os estudantes que a vivem e que são a sua razão de ser. Que para todos fique como uma boa memória de um tempo feliz e de uma Cidade amiga.







Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 6 de Maio de 2013