segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Folhas que caem

Atrás da Serra do Açor, bem perto da Serra da Estrela, fica uma aldeia que, de entre todas as aldeias perdidas por aquelas serranias é aquela que, embora o seu nome seja Aldeia de S. Francisco de Assis, é conhecida apenas como “a Aldeia”. Também por lá nesta altura do ano em que o ameno Outono está a acabar para dar lugar aos frios que se aproximam trazidos pelo solstício de Inverno, as folhas das árvores características como os carvalhos e os castanheiros foram caindo, restando apenas algumas que os ventos facilmente arrancarão e levarão para longe.
Terras que foram de vida difícil, aquelas. Longe de tudo, ainda hoje as estradas que lá chegam, embora com bons pavimentos em vez da terra de há não muitos anos, têm tantas curvas que desencorajam as viagens de passeio por lá, ainda que as paisagens valham bem o sacrifício.
Duas circunstâncias moldaram a Aldeia de hoje: o volfrâmio e a emigração.
Durante a primeira parte do século XX, a descoberta de que o solo daquelas serras escondia quantidades imensas de um mineral precioso para a metalurgia daqueles tempos, particularmente a ligada ao fabrico de armamento pesado, atraiu a indústria da mineração e o interesse de muitos comerciantes clandestinos que ali vinham comprar o precioso minério. Vários escritores deixaram para a posteridade as histórias ligadas ao volfrâmio nas décadas de trinta e quarenta do século passado, lembrando-me de dois livros em particular, “Volfrâmio” de Aquilino Ribeiro e “Minas de S. Francisco” de Fernando Namora. 

Ao volfrâmio se deveu a capacidade financeira para mandar os filhos estudar para Coimbra ou Lisboa, devendo a Aldeia ser, de todas as da região, aquela que mais gente tem com cursos superiores, nascida nas décadas de quarenta e cinquenta, quando anteriormente era praticamente analfabeta. A partir dos anos quarenta, primeiro para as américas e depois principalmente para França, a emigração marcou toda a região. Hoje, consequência daqueles dois factores, a Aldeia está quase deserta. Quem foi para fora estudar, não voltou, ficando a trabalhar onde se formou. Os que emigraram, ainda fizeram casas na Aldeia mas na sua maioria não regressou definitivamente, porque os filhos e netos já não são portugueses e a Aldeia não lhes diz nada, a não ser como curiosidade familiar histórica.
A Aldeia também é minha, já que lá nasceu minha Mãe, numa família de sete irmãos, sendo a mais nova das quatro raparigas. Tenho assim conhecimento de muito do que se passou naquelas terras, já que nasci nos anos cinquenta, sendo a minha geração aquela que ouviu directamente dos próprios intervenientes as histórias hoje estranhas e mesmo mirabolantes ligadas ao volfrâmio, mas também à pobreza e extrema dificuldade da vida por aquelas serras ainda há menos de cem anos.
Conheço também muito bem as características próprias dos beirões. Tendo nascido naquelas terras longe de tudo, todos os elementos da Família de minha Mãe eram pessoas com uma educação e uma finura de trato que hoje causariam inveja a muitas pessoas urbanas e com mais instrução. Mas que não haja enganos. Por baixo daquela educação e até alguma humildade no trato, todos os elementos da Família, homens e mulheres, escondiam uma personalidade fortíssima aliada a uma percepção arguta das situações. Sei que estas características não eram só dos meus Avós e seus filhos, mas que eram partilhadas por grande parte das famílias da Aldeia, definindo portanto o carácter dos habitantes antigos daquelas serras.
O fim do Outono leva as últimas folhas das árvores, as mais resistentes. 
E, há poucos dias, levou também a última filha dos meus Avós da Aldeia, a minha Tia Teresa Escolástica, com 96 anos. Como os outros irmãos e irmãs, possuía, talvez ainda de forma mais marcada e que recordo com ternura, uma extrema gentileza, sensibilidade e permanente vontade de ajudar os outros.


Nunca, ou muito raramente, abordei questões pessoais nestas páginas. Confio que os leitores me perdoarão este desvio e certamente perceberão o significado pessoal do desaparecimento de toda uma geração para mim notável, mais ainda do que o apagar sereno de uma velhinha de quase cem anos de idade.


Nota: Fotos retiradas de https://www.facebook.com/saofrancisco.assis.9?fref=ts, agradecendo ao Marco Gil a publicação das fotos da Aldeia

1 comentário:

maria gabriela carvalho disse...

Linda porque nobre história.Gostava de conhecer. Obrigada.