segunda-feira, 29 de setembro de 2014

REINDUSTRIALIZAÇÃO



Passam agora vinte anos sobre o célebre relatório Porter que, como acontece em Portugal com quase tudo o que é importante mas difícil, foi rapidamente esquecido, submerso na espuma dos dias da politiquice e da sistemática incapacidade portuguesa de olhar para longe e não perder o horizonte.
Dos onze clusters estratégicos apontados por Michael Porter, seis deles são hoje as áreas de actividade económica que mais contribuem para as nossas exportações: calçado, texteis, madeira e cortiça, vinho, turismo e automóvel. Não faz mal nenhum relembrar que os outros cinco eram a educação, capacidade de gestão, financiamentos, gestão florestal, ciência e tecnologia. Estes últimos sáo hoje considerados uma evidência, o que não impede, no entanto, que ainda tenhamos falhas graves em alguns deles, como sejam o financiamento e a capacidade de gestão das empresas. No que respeita aos seis clusters económicos, lembro-me bem de como certas elites deles desdenharam como pertencendo ao passado, apontando para os serviços como o nosso futuro, que a indústria era coisa do passado.

Nas três últimas décadas viu-se assim vencer a ideia de que o crescimento económico e correspondente emprego seria melhor conseguido através dos serviços, a que correspondeu a outra face da moeda, isto é, o abandono da indústria, bem como da agricultura e das pescas.
A desindustrialização verificada em Portugal, que acompanhou aliás o que sucedeu no resto da Europa (curiosamente com a excepção da Alemanha) é evidenciada pela queda do peso da indústria transformadora na riqueza e emprego em Portugal de 17,1% em 2000 para 14% em 2013, depois de um mínimo histórico de 12,6% em 2009. Para se perceber a ligação entre a redução da actividade industrial e as crises económicas e financeiras dos países do sul da Europa, basta notar que na Grécia o peso da actividade industrial no PIB passou entre 1995 e 2009 de 12,3 para 8,9%, na Itália de 21,5 para 15,8% e em Espanha de 18,5 para 12,3%. Já na Alemanha, a variação equivalente foi de 22,0 para 21,8%.
A continuidade da recuperação da actividade industrial que já se verifica é crucial para a sustentação das nossas contas externas através das exportações. De acordo com o governador do Banco de Portugal, a nossa economia só será saudável quando as exportações representarem mais de 65% do PIB, sendo em 2013 de apenas 40%.
Mas a reindustrialização não pode significar um regresso ao passado que já foi. Se as indústrias que anteriormente fugiram para a Ásia e que estão a regressar correspondem na realidade à nossa actividade industrial tradicional, o passo em frente tem que significar uma atitude diferente, baseada do conhecimento que se tem, mas adicionando-lhe valor acrescentado através de inovação e investigação que signifique produtos competitivos para exportar. A mudança necessária para que a inovação seja efectivamente produtiva é muito grande e as empresas industriais têm que ter consciência disso. Basta lembrar que, enquanto em Portugal 22% da investigação reside nas empresas, nos Estados Unidos esse valor é de 80%, mesmo sabendo-se o nível da investigação universitária naquele país.
Por outro lado, há em Portugal custos de contexto que nos últimos anos, mercê das estratégias seguidas pelos sucessivos governos, constituem uma canga pesadíssima para a indústria, limitando de forma grave a sua competitividade. Sabe-se que os custos energéticos representam mais de 30% dos custos de produção industrial, tendo Portugal o gás e a electricidade dos mais caros da Europa. As diferenças desfavoráveis a Portugal no custo energético das grandes empresas industriais chega a 10% relativamente a Espanha e 20% a França. O défice tarifário, consequência da liberalização do mercado, virá também a reflectir-se nas empresas industriais, diminuindo ainda mais a sua competitividade, pelo que a alteração radical da política energética actual é urgente e necessária.
O próximo Quadro de fundos europeus designado Portugal 2020 apresenta um levantamento de todos estes problemas, propondo respostas que parecem adequadas. Depois dos gastos tantas vezes disparatados em infraestruturas não indutoras de riqueza e tantas vezes redundantes, espera-se que desta vez seja a economia real e particularmente a indústria, a receptora dos fundos europeus, recuperando Portugal e os portugueses para um desenvolvimento sustentável que garanta um futuro melhor aos nossos filhos e netos.
Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 29 Setembro 2014

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

NÃO

Mas alguém imaginou que o NÃO de Passos Coelho ao pedido de dinheiro de Salgado ficava por ali? Santa ingenuidade. Ainda há muito mais para ver à face da Terra.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

BES: OS DANOS COLATERAIS



As consequências económicas e financeiras do sucedido no BES ainda andam por aí e, ou muito me engano, ou ainda vão andar por muito tempo, tal é a dimensão do desastre. As ondas de choque entram pela economia dentro e abalam muitas empresas, como a PT e outras envolvidas em parcerias publico privadas cuja viabilidade é muito duvidosa sem a mão do Estado a ajudar.
Tudo isso é evidente e só podemos esperar que a competência técnica e vontade efectiva de sucesso das entidades envolvidas na solução encontrada venham, pelo menos, a minorar ao máximo as consequências nos bolsos dos portugueses.
Após a nacionalização em 1975, a família Espírito Santo só em 1991 voltou a tomar conta do seu antigo banco. Sabe-se agora pela voz de Mário Soares que foi ele próprio a pedir a “son ami “Miterrand que encontrasse em França quem emprestasse dinheiro à família Espírito Santo para poder ir à privatização do BES. E o Credit Agricole emprestou algumas dezenas de milhões de euros para o efeito que afinal, passados todos estes anos, ainda não lhe terão sido pagos.
Atendendo a tudo isto, a queda do BES e da família Espírito Santo, impensável há meia dúzia de meses tem consequências profundas na sociedade portuguesa, muito difíceis de avaliar ainda na sua completa extensão.

A destruição da confiança nas elites financeiras e sociais é obvia e imediatamente evidente. A família Espírito Santo era a única que em Portugal representava o restrito e socialmente longinquo mundo banqueiro internacional. O BES estava presente em praticamente todos os grandes negócios em Portugal e havia mesmo quem chamasse ao seu líder Ricardo Salgado o “Dono Disto Tudo”. As centenas de membros da família eram vistas como a elite das elites sociais, comportando-se-se alias como tal. O desmoronar do grupo económico e, fundamentalmente as razões para que tal tenha ocorrido, reflectem-se obviamente na consideração do português comum sobre as supostas elites sociais e económicas do país.
Mas esta não será a única consequência social e profundamente política deste caso. Nos últimos anos verificou-se, e bem, a abertura da actividade económica ao sector privado em todos os sectores da economia. Muita discussão política tem passado pela definição dos limites dessa abertura e da substituição do Estado pela actividade privada em determinadas áreas. À frente estão desde logo a Saúde e a Educação mas também outras áreas do chamado Estado Social. Se não está em causa a liberdade do sector privado concorrer com o Estado na oferta de serviços nessa área, o problema reside na possibilidade de encolher o papel do Estado nessas áreas devido à escassez de receitas fiscais face à despesa, contando-se que o mercado viesse suprir sem problemas essa diminuição do papel do Estado. O que a crise do GES vem mostrar a toda a gente, ainda que muitos não o reconheçam explicitamente, é que boa parte da nossa elite empresarial não está preparada para assumir responsabilidades sociais. Se ser liberal em Portugal é ainda hoje uma miragem, isso deve-se em boa parte aos comportamentos daqueles que, precisamente, deviam demonstrar o contrário. E devemos todos pensar nos mais desfavorecidos cuja segurança mínima deve ser garantida pelo Estado. Com lideres empresariais que “retiram” fundos das empresas para si próprios de todas as maneiras e feitios, mesmo as mais sofisticadas, ninguém de bom senso lhes pode confiar o que tem que ser socialmente garantido para todos. É evidente que seria injusto concluir que todos, ou mesmo a maioria dos empresários portugueses actuam desta forma. Mas quando se descobre que a elite das elites o faz de uma forma despudorada, a confiança na actividade económica privada é a primeira vítima.
Podem estas consequências ser consideradas como danos colaterais de um problema meramente económico e financeiro. Desconfio, no entanto, que agirão sobre os portugueses de uma forma muito mais profunda e duradoura do que a questão financeira que, de uma forma ou de outra, acabará sempre por ter solução.

 Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 22 de setembro de 2014

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

CONVERSAS



E de súbito voltou a política, ou melhor a discussão política, já que na política estamos e estaremos permanentemente mergulhados, pelo menos enquanto o sentir colectivo não estiver suficientemente pacificado por um bem-estar aceitável e distribuido com um mínimo de justiça.
E, nestas alturas de debates mais intensos o que não significa mais aprofundados, muito longe disso, há termos e frases que parecem servir para nos por bem dispostos, de tal forma os políticos as usam e delas abusam, pensando que estão a convencer alguém, quando na verdade os cidadãos apenas acham que estão a ser espirituosos.
É assim que muitos descobrem essa verdade lapalissiana de que são as pessoas que interessam, ou que estão primeiro. Como se a política não fosse exactamente isso, cuidar das pessoas, do seu bem estar e do seu futuro, não esquecendo os que hão-de vir. A questão não está em dizer que se tem as pessoas como preocupação, mas em como trabalhar de forma mais capaz porque, no fim, quer fale delas quer não, serão as pessoas que recolherão os frutos da sua actividade.
Porquê, então, haver tantos políticos a falar nas “pessoas”? É evidente que a classe políica sofre actualmente de um afastamento dos problemas reais da população. Quem está mais do lado do Governo adopta uma posição de fugir às consequências reais da política seguida na sequência do Pacto de Estabilidade que, para o bem e para o mal, foi levada a cabo por este Governo. Quem se opõe não percebe bem como é que com toda a austeridade o desemprego desce como em nenhum outro país do sul da Europa, há retoma económica diminuta mas há, ao contrário até da própria Alemanha e principalmente, não consegue justificar os restaurantes cheios ao fim de semana. Toca então a falar das “pessoas”, com a esperança de assim se chegar ao coração dos portugueses, mesmo usando o termo com se de um biombo se tratasse.
A verdade. Quando se chega à altura dos debates, principalmente os televisivos, é certo e sabido que algum dos intervenientes irá a certa altura levantar a mão direita, levá-la ao peito e dizer com ar compungido: deixe-me ser completamente verdadeiro. Eles não sabem, mas deve ser o momento mais divertido do debate, aquele pelo qual todos os espectadores esperavam para saberem à partida que seguramente se vai seguir uma mentira. Depois, todos aprendemos já que a verdade não tem só uma face, pelo que não vale a pena aos políticos virem defender a verdade como programa político, porque isso não significa nada. A única verdade que os portugueses querem ouvir é sobre os números certos dos mais diversos parâmetros das vida colectiva. Sobre se esses números significam que o copo está meio vazio ou meio cheio isso já eles sabem discernir hoje em dia, depois de tantos artistas a inventar sobre esses mesmos números.
Defender o bem comum. Eis outra frase que parece ter mel, tal o uso que muitos políticos fazem dela. É talvez aquela que mais exigência coloca sobre os políticos que a usam, já que corresponde ao que há de mais nobre na actividade política e remete para a ética na acção política, algo que todos os cidadãos percebem ser uma necessidade crucial para o seu viver colectivo. Mesmo muitos dos que no seu discurso político elegem a defesa do bem comum como objectivo último, vêm a falhar nas mais pequenas coisas.Um exemplo generalizado é a persistência na atitude de limpar secretárias, computadores, etc. quando as eleições ditam a substituição dos governantes por outros de partido diferente. Como se a alternância democrática fosse equivalente a uma sucessão de revoluções. Percebe-se que os que saem achem necessário documentar-se para futuro, não podem é limpar documentação que pertence às instituições que as pagaram com o dinheiro dos impostos. Defender o bem comum é mais fácil de dizer do que praticar do princípio ao fim.
Publicado originalmente no Diário de Coimbra de 15 de Setembro 2014

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

UM MUNDO HOSTIL ÀS MULHERES



As notícias sobre o chamado “estado islâmico” não param de nos surpreender. Agora soube-se que entre os milhares de europeus que se juntaram aos islamitas do EI para ajudar a conquistar o que eles chamam o califado, haverá pelo menos uma dúzia de pessoas com cidadania portuguesa, entre as quais duas mulheres. Sabendo-se como os radicais islamitas tratam as mulheres é caso para pensar que razões levarão aquelas e outras mulheres europeias a enfileirar com os jihadistas. Parece mesmo que é a violência da actuação dos defensores do estado islâmico que exerce um fascínio sobre os jovens que os leva a largar o seu mundo e partir para a Síria e Iraque para participar naquela loucura assassina que dá pelo nome de Estado Islâmico. Às mulheres que vão é reservado o papel que os extremistas islâmicos oferecem a todas as mulheres: escravas em casa, sem qualquer hipótese de se poderem considerar seres humanos semelhantes aos homens. Esses, quando não estão ocupados a crucificar, degolar e chacinar todos aqueles que não partilham da sua vontade de construir o califado, incluindo muçulmanos, andam pelas ruas de arma em riste a verificar quem falta às obrigações religiosas que significam quase tudo o que a liberdade ocidental oferece aos cidadãos, sejam homens ou mulheres. 

Quando poupam mulheres e meninas é para as venderem acorrentadas nos mercados para servirem de escravas sexuais dos jihadistas que as quiserem comprar a menos de cem dólares cada.
A maioria dos jovens que decidem juntar-se aos jihadistas são primeiro doutrinados e depois recrutados através da internet. Uma das mais activas recrutadoras europeias para o EI é uma rapariga de vinte anos que terá sido tremendamente eficaz a recrutar raparigas de toda a Europa para se juntarem aos jihadistas, casarem com eles e “trazer para perto de si o campo de batalha, se não conseguirem chegar ao campo de batalha”. Metem dó, porque o fim de todos eles e delas também está bem à vista: mais cedo ou mais tarde morrerão às balas dos inimigos que criaram ou apodrecerão até ao fim da vida em cadeias miseráveis.

Vida estranha e mesmo aterradora a destas mulheres que têm o azar de aí terem nascido ou escolheram ir para a Síria e Iraque, por motivos que algum dia talvez se venha a perceber quais foram.
Mas o nosso Ocidente foi também origem de notícias sobre mulheres que dão muito que pensar. Mais de cem mulheres famosas viram fotografias íntimas que tinham guardado em lugares supostamente seguros na internet serem divulgadas por todo o mundo, sem seu consentimento. Claro que se trata de fotografias apenas de mulheres.
Poder-se-à dizer que aquelas mulheres não tinham nada que, em primeiro lugar tirar fotografias nuas, e depois que as guardar na internet, pelo que serão elas as responsáveis pelo sucedido. Faz lembrar aquele argumento que desculpa os violadores, por as mulheres não andarem suficientemente tapadas, o que nos remete aliás, de novo para os muçulmanos que obrigam as mulheres a andar na rua completamente tapadas para não suscitarem desejos nos homens que, como é bem sabido, são muito atreitos a isso quando são “verdadeiramente homens”.
Sucede que o problema não está aí. Fotografia de nus, incluindo pinturas célebres, sempre as houve e daí não vem mal ao mundo. Os hackers só violaram os sites de guarda de material informático porque lá havia material vendável e por isso o roubaram. E é isso que os corpos das mulheres são muitas vezes na nossa sociedade: material vendável, isto é, mercadoria. Por isso somos inundados com publicidade que usa e abusa do corpo feminino tantas vezes manipulado para se assemelhar com standards tidos como ideais de beleza. E é material vendável, porque há muita gente disposta a pagar por ele. Nas últimas décadas a nossa sociedade alterou imenso a forma como encara a mulher. No entanto, de forma subterrânea, há ainda algo a unir o dito califado à nossa sociedade e tem a ver com o total respeito (ou falta dele) pela Mulher como tal e por inteiro.

Publicado originalmente no Diário de Coimbra em 8 de Setembro de 2014

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

SAUDADES DA GUERRA FRIA?



A queda do muro de Berlim varreu o regime comunista para as estantes da História, mas desengane-se quem pensou que a bipolarização dos tempos da guerra fria tinha terminado para sempre, com o estabelecer definitivo do império americano. Nem, como se sabe, os impérios da História duram para sempre nem as notícias sobre o desaparecimento da Rússia juntamente com a ex-URSS deixaram de ser manifestamente exageradas. Claro que a fraqueza súbita no centro do antigo império soviético permitiu a separação e independência de países que foram anexados na formação da ex-URSS em 1922 e após a II Guerra Mundial, neste caso os que na prática estavam ocupados pelos exércitos soviéticos desde a sua marcha para ocidente no combate à Alemanha hitleriana, construindo aquilo a que Churchill chamou “Cortina de Ferro”.
Os anos de governação de Boris Yeltsin e da reestruturação da organização interna russa significaram um apagamento do papel da Rússia no contexto mundial. Mas o novo regime acabou por se definir dentro da lógica de economia de mercado, embora com uma grande intervenção do Estado. Há aspectos da Rússia que na realidade não mudam muito, estejam os antigos czares no poder, os comunistas ou agora o actual regime e um deles é a desmesurada capacidade interventiva do Kremlin em todos os aspectos da vida do país, seja na política, seja na economia. Como se trata de um país de grandes dimensões e com populações de diversas origens e histórias, uma certa visão que podemos considerar imperialista não está também nunca muito afastada das práticas governativas do Kremlin. Essa visão abrange ainda uma vontade de influenciar definitivamente os países que se situam junto às suas fronteiras, principalmente na zona ocidental. Acresce que, durante a existência da União Soviética o poder moscovita considerou os países anexados à União como pertencendo-lhe para sempre, pelo que por eles foi distribuindo infraestruturas diversas, incluindo estruturas militares e ainda fábricas de equipamento militar.

Tudo isto explicará boa parte da acção de Putin nos dias de hoje, mas não lhe dá razão em tudo ou mesmo em grande parte do que se passa hoje na Ucrânia, ainda que a inclusão do “celeiro da Europa” na ex-URSS viesse já dos anos 20 do século XX. De facto, a inclusão da Crimeia na Federação Russa em Maio do corrente ano fez-se à margem de todos os tratados internacionais assinados pela própria Rússia em 1991. A Ucrânia que, lembre-se, é o país totalmente europeu com maior dimensão territorial, aprendeu à sua custa que não podia contar com ajuda da União Europeia ou mesmo dos Estados Unidos, para além de votações das Nações Unidas ou uns comunicados piedosos mas inócuos a condenar a acção militar de Putin na Crimeia. Putin vive e governa com toda a confiança no novo sistema de tipo capitalista da Federação Russa, mas não sendo comunista nem lá perto, não prescinde de deixar bem claro que não apreciou nada o que Mikhail Gorbachev acabou por fazer à ex-URSS com a sua “glasnost” que, juntamente com a famosa “perestroika” acabou não por reestruturar a União Soviética mas por a destruir por dentro ao libertar todas as tensões acumuladas e sustidas com mão de ferro pelo Partido Comunista desde os tempos de Lenin.
Após a anexação da Crimeia, Putin avançou com técnicas de subversão no leste da própria Ucrânia, apoiando sectores que defendem a separação de parcelas do território da Ucrânia e da sua integração na Federação Russa. Desta vez o governo de Kiev reagiu militarmente e avançou com tropas para reocupar aquele território, até agora com relativo êxito, dado que a área dominada pelos separatistas é já muito reduzida. Com a previsível derrota militar dos separatistas, chegou-se a um ponto em que a diplomacia tem que intervir, sob pena de as consequências desta guerra europeia, dado que se trata efectivamente de uma guerra, poder alastrar com consequências imprevisíveis, que necessariamente surgiriam no caso de uma intervenção militar russa directa no território da Ucrânia.
Pelo menos por uma vez, a União Europeia tem que se mostrar à altura da exigência do momento e não deixar pendurado um país europeu que pretende ter relações privilegiadas com ela, mostrando-se firme perante a atitude da Federação Russa, mas tendo em conta a História da região; a Ucrânia deve continuar una, mas com soluções próprias e democráticas para as pequenas zonas em que a população é maioritariamente pró-russa. Por seu lado, Putin deve compreender que o respeito pelos tratados internacionais e pela soberania dos países limítrofes é a única garantia de respeito da comunidade internacional e que garante à Federação Russa o papel importante que deve ter no equilíbrio europeu e mundial. O regresso a uma situação de guerra fria é mau para todos e seria um passo atrás no desenvolvimento económico e na liberdade no mundo.